20 de ago de 2016

Café com sobra do bolo de casamento

...e para eles, uma folha de papel em branco, onde já começaram  a rabiscar uma história de vida juntos.

Que sejam criativos, corajosos, cúmplices e companheiros em todos os capítulos são  os meus votos.


"Aquarela
Toquinho

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva
Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu
Vai voando, contornando a imensa curva norte-sul
Vou com ela viajando Havaí, Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela branco navegando
É tanto céu e mar num beijo azul
Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar
Basta imaginar e ele está partindo, sereno e lindo
E se a gente quiser ele vai pousar
Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida
Com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida
De uma América a outra consigo passar num segundo
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Um menino caminha e caminhando chega no muro
E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro está
E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar
Não tem tempo nem piedade nem tem hora de chegar
Sem pedir licença muda nossa vida
Depois convida a rir ou chorar
Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar
Vamos todos numa linda passarela
De uma aquarela que um dia enfim
Descolorirá
Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo
Que descolorirá
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo
Que descolorirá
Giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo
Que descolorirá"

...e quando  o tempo passar, as fotos amarelarem e as roupas parecerem cafonas é a hora de lembrar que o  melhor porta-retratos é a memória. Fechem os olhos devagar, sintam o cheiro, ouçam seus corações e todas as cores se renovam e, até os que já tiverem partido estarão lá de novo! 

Com amor e carinho, parabéns  Agnes Bezerra e Alberto Carvalho pela Boda de papel.



 Que seus barquinhos de papel atravessem oceanos em segurança. Remem em sicronicidade e  harmonia, como pares e sem perder a individualidade

14 de ago de 2016

Saudade que transborda os zoio

Hoje apesar de ser dia dos pais e não  ter o meu mais por perto, sei e sinto ele presente em mim  nos meus jeitos e trejeitos. Sou resultado dele e dos meus ancestrais.

Me sinto contemplada e confortada com isto. Sou grata ao meu pai por tudo e, principalmente, por coisas que só  agora entendo. Fico feliz em dizer que ele fez o melhor e deixou legado e boas memórias, que serão  lembradas por nos filhos, netos e muitas gerações. A minha saudade dele  é feliz e sossegada. Conforta mais que doí.

Também, sou feliz em acordar e puder ligar para o pai das minhas filhas e, com alegria verdadeira, desejar um dia feliz e ainda receber um convite para o almoço.  Afinal, fazem 41 anos que nos casamos e 33 que nos separamos. São  muitos anos de respeito e amizade e isso é uma vitória.

Hoje a saudade que  bateu  dolorida foi de um fraterno, um orientador meio pai, irmão  e conselheiro por mais de década.  A saudade foi dessas que faz frio, transborda água nos olhos e nos leva a enviar os melhores sentimentos de gratidão  e vibrações  de amor fraterno. Uma saudade qual chuva miúda, que cai pouquinha, mas encharca e faz tremer.

A você  meu irmão Nikaya,  que tantas vezes já agradeci, aqui vai mais uma vez o meu "obrigada" e a certeza do meu respeito e amor fraternal.

Babaji seja contigo e um dia nos reencontraremos, nesta ou noutra vida.

Shanti Om Namah Om






8 de ago de 2016

Mea culpa, nossa culpa - café saudoso!


Os amigos custa-nos tanto e são tão poucos, que jamais deveríamos perdê-los.  A dor é grande e não importando a causa da morte, não se chora menos por aquele que morreu longe de nós. Entretanto, resta-nos saber, que mais triste que a morte de um amigo, é a morte de uma de amizade. Se motivarmos a sua morte ou o seu desaparecimento, nada teremos feito de aproveitável neste mundo e nem um amigo teremos para chorar!

Mea culpa, café saudoso.



30 de jul de 2016

Flores brancas pela paz!

#floresbrancaspelapaz
Pessoas amadas, conhecidas, amigos de amigos e passantes, o nosso tapete branco de flores pela paz tem recebido muitas fotos e vem se multiplicando em suas páginas pessoais.
Estou muito feliz porque em cada flor há um desejo expresso que cesse a guerra e venha a paz. Estes votos através de imagens são intenções, vibrações, orações e desejos vindos de diferentes credos, fé e religiões ou fundamentam -se na pura lógica de que esses conflitos são irracionais e o terror e a dor já não cabem na trincheira humana.
Sou grata aos que se somam a este ato e doam seu tempo enviando esta preces de pétalas.Aproveito para pedir desculpas pelo uso de imagens das quais nem sempre sabemos a autoria.
Todas as imagens  aqui expressam a beleza do olhar do fotógrafo e o seu amor pela natureza....e é desta natureza bela somos tecidos na teia da vida!
Obrigada do fundo do meu coração de onde brotam flores brancas de gratidão a todos!
Continuem mandando ao mundo #floresbrancaspelapaz
Shanti

27 de jul de 2016

...lá vai ela!


Sempre recebo grandes presentes que me confirmam termos dado o melhor as minhas filhas. Contei com muitos que me ajudaram neste processo e, em especial, dedico este momento   a Tom - grande pai Antonio Carlos Bezerra, Tia Neima Oliveira e Graça Maria Bezerra Soledade - fontes de inspiração com relação ao respeito ao Ato de ensino, Maria De Fatima Correia - pelo acompanhamento na formação de base e Agnes Bezerra- irmã e profissional do mesmo calibre, parceira e cúmplice.
Meu Pai Babaji, obrigada.

Abaixo publicação de Cissa no Facebook, ontem a noite.

"E hojej, ao me despedir dos meus queridos alunos no IFBa, eles subiram nas cadeiras! "Capitão, Meu Capitão"!
Quando assisti Sociedade dos Poetas Mortos, no início da década de 90, não imaginava que um dia seria Pró e nem que poderia receber tanto amor assim.
Hoje, aquela cena voltou como um flash e me trouxe tanta emoção, que nem pude conter as lágrimas! Agora, era pra mim!
Agradeço a toda comunidade do IFBa por tanto aprendizado, carinho e acolhimento!
Queridos alunos, alunas e colegas, muita honra em ter passado por aqui!!!
Espero dignificar tamanha homenagem!!
Cada dia tenho mais certeza que a docência é meu grande projeto de vida!
Obrigada, meus amados! Obrigada! Obrigada! Obrigada!"
Cissa, beijando Agnes - cumplicidade e amor une as irmãs

22 de jul de 2016

Virando a mesa

As irmãs Naiana e Luana nasceram em pleno semiárido da Bahia, lá no calorão de Sobradinho, cuja  barragem  inundou várias cidades e prometia ser a redenção para seca. Os pais vieram do Piaui e quem vem de lá sabe o que é calor e não se queixa por pouco, afinal tem inverno de 38 graus e verão de até 45. Não é para qualquer um.  Filhas de pais trabalhadores da hidroelétrica, cresceram a brincar no vento morno de uma cidade dormitório.  

Barragem vai barragem vem, mudaram para Xingó onde uma nova barragem se instalou. Além do amor dos pais e da irmã Aninha, em comum  todos lugares tinham o calor de vento morno, o sol no costado quando brincavam ou  a caminho escola e sonho de muitas bolas de sorvete para as três se  refrescarem.

Com o tempo as meninas vieram para Salvador para estudar e puderam seguir seus rumos profissionais.  Naiana tornou-se socióloga e Luana optou pela gastronomia. Entretanto, o mudar de lá pra cá estava no sangue e por força de casamento e opções profissionais, lá se foram morar entre o sul e sudoeste do Brasil, onde passaram a conhecer o frio, um frio que nunca tinham convivido.

De cada lugar e fase de suas vidas aprenderam a absorver o melhor. Luana tornou-se Chef e Naiana ganhou ares de empreendedorismo. Hoje estão de volta a Salvador e numa feliz parceria onde  juntaram o melhor dos mundos de sua infância e fase adulta, e assim nasceu um grande negócio, um lugar fantástico - Mondo, Gelato Artesanal!

Imagine vocês  um lugar onde as crianças podem riscar as paredes, você pode olhar  bons livros enquanto saboreia sorvetes artesanais de água de coco com abacaxi, caju, castanha do Pará com goiaba e até um sorvete de leite Ninho para não falar dos tradicionais pistache, castanha de caju, coco.... Se não gosta de sorvete, não se avexe, diz as duas num sotaque carregado, porque também sai um bom chocolate quente ou frio, café espresso ou coado, bolos caseiros  e salgados delicados como a pele delas.

Tudo, tudo  reunido no bairro boêmio  do Rio Vermelho e num belo casarão histórico. Já tem gente jurando comprar 2 bolas de sorvete de frutas, atravessar para o Largo, pedi uma vodca no bar, misturar e tomar a melhor rosca de caju.

Essas filhas de D. Assunção são meninas danadas, retadas e que souberam fazer do  limão que a vida ofertou , uma boa limonada e do calor, um gelato fantástico.

P.S ontem tomei um cafe com leite diferente: gelato de café com gelato de leite ninho e comi biscoito na casquinha 


21 de jul de 2016

Amigos do charuto merecem café

Por conta do pique de trabalho estes dias  tenho saído mais tarde que de costume e muito cansada para pegar a estrada. Não moro tão longe, fica no litoral norte, região metropolitana de Salvador, mas tecnicamente saio de Salvador, pego a BA 099 e atravesso dois municípios.

Esta semana dormi  na casa da minha filha. Quando preciso dormir lá, tenho por costumo avisar, afinal não é mais a minha casa e ela pode ter visitas. Também, logo que guardo o carro, janto nas imediações, evitando trabalho a mim e a a ela.

De saída para jantar, passei na portaria e dei um dedinho de prosa com a porteira, enquanto conversávamos, ela foi cumprimentada efusivamente por morador das imediações. Bati o portão e segui a passos largos até a esquina para jantar. Cumprimentei o senhor que ultrapassei na calçada e segui. Foi quando ouvi o estalo, um ruído metálico baixo...

Reconheci o som e sem pensar falei alto: Minha boca encheu-se de água!  O som era de um cortador de charutos. A memória do sabor e dos bons momentos vividos às baforadas tomou-me por completo. Quando notei o senhor já tina apressado o passo e com gentileza e alegria me perguntou: a senhora gosta de charutos? a senhora fuma charutos?

Antes que eu respondesse, pediu licença e se apresentou como Ary  e disparou a falar que sua vó fumara, que ele adora e, acrescentou que achava bonito uma mulher fumar charutos.  Contou que aquele charuto fora feito em especial para ele por uma amigo de Cruz das Almas e sacando do bolso um exemplar, me ofertou.

Falamos dos bons lugares que tivemos para fumar charutos e beber um bom conhaque em Salvador e assim, numa esquina de rua tivemos uma conversa agradável. Descobri que por anos fomos vizinhos de prédio e rimos das surpresas que a vida nos reserva.

Degustarei com carinho o capa preta que recebi  junto com um cafezinho e as boas lembranças deste encontro inusitado.


http://charutoseharleyros.blogspot.com.br/, foto capturada sem autorização e poderá ser retirada assim, que solicitado