9 de ago de 2017

Eu e o belo Zé

Hoje na chegada no trabalho, Zé Carlos Santana estacionou ao meu lado. Minha primeira saudação foi: - olá colega, sempre belo!

Conheci Zé em 1978 no meu primeiro estágio. Os anos passaram e só lhe trouxe charme e cabelos grisalhos. Comunista, charmoso e fotografo premiado, Zé é um homem sensível, marido e pai que não se importa em demonstrar sua essência feminina.

Caminhamos rumo as nossas salas comentando sobre nossa geração, oportunidades e perdas. Nos lembramos de quando lutavamos por um Brasil melhor, da educação popular embutida na extensão rural e na panfletagem que bancavamos, literlamente. Lembramos da alegria na vitória de ver nossos pares eleitos a cargos do executivo e legislativo. Nosso primeiro presidente.

A situação atual do Brasil, da Bahia e da nossa empresa pública, hoje lembra a velha máquina que encontramos na época da ditadura. Melhorou em muito o acesso do povo aos bens e serviços, mas continuamos a ter cacíques. Nos decepcionamos com o movimento popular ter seguido num crescente e os  representantes da sociedade civil passarem a disputar entre si o poder.

Pela primeira vez ví a beleza de Zé esmaicer, seu olhos marearem e o tempo mostrar seus sinais.

Enfim, chegamos as nossas entradas e nos dispedimos nos prometendo resistir enquanto os olhos baterem.

Prometo a você e prometo a mim. Prometo, promessa é dívida ativa. Votos que tenhamos garra e harmonia para seguir.

Abraços Zé Carlos Santana,

Shanti,

Nouredini.



20 de jul de 2017

A reforma

Como dizem os amigos portugueses: - estou reformada. Quisera eu estar reformada em toda plenitude da palavra...alma lavada, dever cumprido e seguindo rumo a desfrutar o que tenho de direito, mas por cá a bendita reforma é de fato uma aposentadoria.

Nem posso pensar em parar de trabalhar, pois o que receberei cai a metade do meu ganho e, se quiserem que eu continue ( porque depende da empresa), pagarei ainda o Instituto, mesmo sem poder usufruir deste para um futuro aumento da aposentadoria. Não há ajustes ou desaposentação.

Mesmo assim, ante a bagaceira que vive o País e o risco de perder ainda mais, juntei os documentos e parti para aposentadoria. Comecei cedo e já contei o tempo obrigatório. Ontem 19 de julho, 32 anos de trabalho cumpridos e apenas 30 comprovados fui oficialmente aposentada.

Pela primeira vez na vida tenho ceretza de um salário. Assim como sei também que ele decrescerá a cada ano, mas para quem trabalhou em tantas empresas e teve que se adaptar ao setor público e privado. Virar generalista por necessidade e ir da pesquisa ao cultivo de peixes, ainda penso que sai no lucro. Pago da roupa íntima ao pão com meus ganhos.

Estou decidindo se viverei com o pouco que receberei ou se continuarei a trabalhar, se me permitirem. Tenho um mês para decidir  e darei notícias.

No momento, sou grata ao Pai por ter caminhado até aqui e por ter podido comprovar o tempo necessário.

Shanti!

19 de jul de 2017

Uma longa gestação

Algumas pessoas levam uma vida gestando uma idéia, um propósito ou um desejo e, com o tempo,  o desejo vai perdendo as cores, desbotando ou se desfazendo com papel crepom na água. Outros se mantém firme e, a cada dia, somam uma pedrinha, uma continha a rosário dos desejos.

Assim fez meu amigo Samuel que sempre quis ser pai. A vida lhe trouxe encargos familiares, fraternos, religiosos, políticos e profissionais. Somou seminário, graduação, mestrado, nova graduação, muito trabalho de base comunitária, mas nunca deixou de acalentar o sonho de ser Pai.

Já maduro e posto na vida decidiu-se pela adoção e poi-se a andar e buscar. Faz um ano que caminha e junta argumentos e documentos. Exigências não fez, só um filho para amar e que viesse grande -aliás, os mais difíceis de achar família.

Semana passada venceu uma importante etapa, entrou no cadastro nacional e no dia seguinte lhe enviaram uma proposta: um filho pronto para amar. Paulo tem 17 anos, estuda, faz esportes, toca sax e é curioso com motores, tímido como seu futuro pai e deseja estudar.

Alguém ainda duvida da Misericórdia ou da Justiça Divina? 

Eu, as mihas filhas e alguns amigos que já arrebanhei, já estão na lista dos que vão dá reforço escolar, mostrar a cidade, ajudar nas primeiras compras de enxoval e mostrar a Paulo que ele tenho um Pai querido e amado por muitos.

Meu Paizinho do Céu, que ambos tenha todas as oportunidades e possam juntos caminhar e se fortalecer.

Sou grata por isto.

Shanti




15 de jul de 2017

Girassóis de Vicent fora do museu.

"Novidades de uma nova vida numa escola rural: trocar de prédio de aulas e passar por uma plantação de girassóis!!!
A foto não consegue revelar a alegria da surpresa na hora do encontro!"
Esse depoimento é da minha filha Cissa. Nascida e crescida essencialmente urbana, ela vem se descobrindo encantada com o rural e sua simplicidade instantânea.
Ela conheceu os girassóis de Vicent no museu em N. York. Eu de minha parte, aprendi cedo a amar o rural em sua simplicidade e em toda sua complexidade.
Sempre brinquei com elas  de um pé de quê?!  Lembro nos anos 2001 de a ter pirraçado, já adulta, ao lhe responder que aquela palmeira em sua frente era um pé de vassoura. Uma piaçaveira em plena produção.
Agora, ela sozinha faz descobertas que a encanta. Apesar de  inicio ter sofrido com a mudança, no meu coração, tinha a certeza que este encantamento chegaria.
Também sei que virão os dias de desencanto com a complexidade das relações de uso e posse da terra, mas fará muito pelos seus alunos como professora e cidadã.
Aproveito e relato aqui um fato ocorrido ontem na zona rual do municipio de Antonio Gonçalves porque nem sempre há girassóis no caminho.
"Foi assassinado ontem o jovem lider rual Junior do MPA. Ele estava trabalhando no cabo enxada junto com familiares quando foi atingido por 5 tiros.
NOTA DE PESAR do Movimento CETA
É com grande dor e indignação que recebemos a notícia que mais uma vez um trabalhador rural pagou com a própria vida, o preço por lutar pelo direito de ter um pedaço de chão, em um país que é do tamanho de um continente.
À família do nosso companheiro Júnior e ao MPA, toda nossa solidariedade neste momento. E todo nosso apoio para lutarmos pela punição da ganância e avareza daqueles que ceifaram a vida de mais este camponês.
À você Júnior, a nossa eterna gratidão pela tua valiosa contribuição na luta por uma sociedade justa, igualitária e sadia.
Vai em paz companheiro! As sementes criolas que você plantou não foi em vão, faremos todas germinarem!
Júnior do MPA VIVE!"

Pois Cissa, que os belos girassóis te alegrem e te confortem na escolha de ensinar na zona rural. Há muito o que fazer e, em você, deposito minhas esperanças.

#amorpelorural
#semiáridoumapaixão
Votos de muitas descobertas,
Bjs de sua mãe.

2 de jul de 2017

Pequenos ramos amorosos

Nasce o sol a 2 julho. Brilha mais que no primeiro.
Minha vó Celestina repetiu estes versos para minha mãe em todos seus aniversários. Este ano descobri que também é aniversário de sua cidade natal.

Minha Mãe - d. Neyde, obrigada por tudo. Espero que saiba entender nossas dificuldaddes. Quisera nos soubessemos, como hoje, sobre os descaminhos da mente, sobre a depressão e a demência. Certamente, a senhora teria vivido melhor.

Sou especialmente grata a Neima Oliveira por tudo que fez pela senhora e a Neiva Costta, que numa fase dificil de vida, mesmo assim, deu seu máximo.

Walney Oliveira será sempre o caçula e ensina ao pequeno João as suas estórias.
Todas suas netas lhe orgulhariam Agnes Bezerra Cissa Bezerra Joana Oliveira e LenaVitória e guardam com carinho suas lembranças de um  tempo bom e uma vó carinhosa.

Mantemos o hábito que com  a senhora aprendemos: - fazer pequenos jarrinhos com flores catadas no jardim ou quintal  de casa. Na casa de Neima e minha pequenos arranjos adornam sua foto ao lado do nosso pai. Assim, aprendemosa valorizar o simples e o que temos a mão.

Que o Pai seja lhe generoso. Sempre o sol de 2 de julho brilhará para a senhora.

Com amor,

Heidinha - Nouredini

30 de jun de 2017

Memória, um patrimonio.

"Três segundos. Esse é o tempo que a informação leva para ser captada pelos sentidos e chegar até o cérebro" 


Num instante, o presente se torna passado -memória. 


Um homem é feliz com suas memórias recentes ou distantes e as fotos eternizam o presente com o olhar e o sentimento daquele exato momento, entretanto cabe sempre lembrar, que o melhor porta-retratos é a memória.

Votos de paz a todos

28 de jun de 2017

Para sempre na S. José

Neste final de semana, as cinzas de Zé foram incorporadas ao solo das 4 fazendas reunidas S. José. Lá irão fertilizar e ajudar a crescer um cacau de qualidade, produzido de forma justa e ambientalmente correta por seus parceiros. Uma homenagem, bela e oportuna, prestada por Lucia Helena e o filho Daniel Moreira.

Zé acreditava que terminavamos nestas cinzas mas, mesmo nesta perspectiva, ele renascerá em flores e frutos de cacau, bananas, jacas, côcos e cajás. Também nas muitas flores de Ipês rosa, branco, amarelo e roxo, que tanto admirava.

Continuará misturado e vivo nas fazendas que serão das suas netas. Presente no bico dos pássaros que transportam pequenos galhos aos ninhos, na relva do pasto do gado, nos frutos dourados do cacau maduro, nas bananeiras avó, filha e neta que seguirão a nascer.

Sempre será possível vislumbrar sua silueta por entre a neblina do amanhecer indo rumo ao curral carregar o leite ou ouvir ao longe o tilintar da velha máquina de escrever fazendo a contabilidade, as 4h da manhã.

O cheiro misturado da chuva, barro, torra do cacau e lavagem do curral das suas botas na entrada da porta serão sempre inconfundíveis e as pitangas vermelhas brotarão doce lhe anunciando a cada ano.

Que seja sempre lá o seu canto, recanto e descanso.

R.I.P  Carlos, nosso Zé