18 de mar de 2017

O rio desagua no mar.

Para quem me mandou o mar, mando o rio ao seu encontro.


Mar

Sophia Breyner


I


De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua,
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.

II


Cheiro a terra as árvores e o vento
Que a Primavera enche de perfumes
Mas neles só quero e só procuro
A selvagem exalação das ondas
Subindo para os astros como um grito puro.

in Poesia, 1944


O Rio
Marisa Monte

Ouve o barulho do rio, meu filho
Deixa esse som te embalar
As folhas que caem no rio, meu filho
Terminam nas águas do mar

Quando amanhã por acaso faltar
Uma alegria no seu coração
Lembra do som dessas águas de lá
Faz desse rio a sua oração

Lembra, meu filho, passou, passará
Essa certeza, a ciência nos dá
Que vai chover quando o sol se cansar
Para que flores não faltem
Para que flores não faltem jamais

Braça amigo




Com quantos pais e mães se faz uma familia?

Com quantos pais e mães se faz uma família? Parece fácil responder quando se olha esta foto de irmãos felizes abraçados.

O sorriso e a amor é o traço de união e os tornam, cada vez mais parecidos. Na. Foto estão Agnes, Cissa, Raphael, Ana Cláudia e Ana Carolina com sua Leticia. Os pais não caberiam na foto porque as duas primeiras são as minhas filhas com Tom; Raphael é de Tom com Fatima e as duas  Anas são de Fatima com Ivo.

São duas barrigas e dois pais em diferentes combinações. Foram criados juntos e o amor os uniu como uma costura forte e fraterna. Com o tempo as casas de novo se separaram, mas eles  permanecem juntos e misturados e...eu no bolo.

Com Fátima divido as alegrias e cada vitoria das filhas. Somos mais que ex-mulheres de Tom, somos mães de filhas que nasceram na minha barriga e cresceram no coração dela.

A estes irmãos somam-se cunhados que vão aceitando a mistura "de boa" como dizem os jovens e assim, fica provado que com amor e compreensão, a vida cria seus próprios caminhos e arranjos, preconizando o futuro dos novos modelos de familias.

A todos meu amor e o meu cafezinho de hoje.

14 de mar de 2017

O mais novo cantinho

Cada ano um tanto. Casa de pobre cresce aos poucos e a cada puxadinho vem um sabor de vitória. Cresce sempre sinuosa e com altos e baixos e nem sempre as emendas encaixam com perfeição, mas tudo bem.

Vi muito disse em minha vida e dizer que faço puxadinhos é exagerar nas cores. A verdade é que, aos poucos e com esforço, venho botando meu cantinho no jeito. O ano passado foi o fechamento da varanda, que ganhou status de sala de café e no anterior a varanda em si com piso e telhado de telhas de cerâmica, que garatem o barulho de chuva.

Este ano foi a vez do pergolado no jardim onde uma rede balança na sombra da tarde e, queira Deus, as trepadeiras enrramem cheia de flores. Ja tenho jasmim, tumbegia azul e belas bocas de lobo - amarelas e vinho.

Lá já estão as samambaias, um tanto sofridas.pelo sol, num fase de adaptação. Também umas poucas orquídeas, que tem demorado a florir.

Faltam cacos bonitos. Tempo e paciência. Como o outono esta beirando, espero que ajude a tornar o cantinho mais bonito.

Torço que passe a ser o cantinho preferido ds filhas e o lugar de bebericar e beliscar os pestiscos. Assim um tantinho virá um tantão poque felicidade é medida pela alma.

...e balaçando na rede vou bebericando um cafezinho.

6 de mar de 2017

Essa menina de 41 anos tá de brincadeira

Com sorriso de menina, responsabilidade de mulher e dengos de boa companheira, Agnes continua adentrando os "enta". Desta vez a comemoração foi a luz da Torre Eiffel e com direito a muitas bolhas e carinhos do amado.

Daqui ficamos, eu e a irmã Cissa, a desejar-lhe o melhor. Saúde, mesa farta, bom trabalho e muito amor. Que a vida seja tão generosa quanto o seu sorriso. 

Agradeço ao Pai a sua presença em nossas e vidas e os aprendizados feitos de lágrimas e sorrisos porque tudo soma e nada é perdido na aritmética da vida.

O Post é breve mas o amor é imenso. Leve em conta a correria do dia e me aguarde porque com tempo e oportunidade lhe renderei justa homenagem.

Todo nosso amor!


23 de fev de 2017

37, o mesmo peso e a mesma medida.

Se pudesse definir Cissa  pelo que gosta e o que faz ... diria que tem um quê de menina, charme dos bons espumantes, gosto forte e responsabilidade de chefe de família. Ela passeia entre responsabilidades e diversões com a mesma intensidade sabendo se dividir de forma equânime. 

Festeira, cheia de amigos e predicados de arte, também sabe ser profissional séria, professora correta e dedicada, boa pagadora.

Administradora de formação,  Especialista e Mestre juntou seu bem querer e gosto de artesã a todos os requisitos e tecnologia para uma boa gestão. Defendeu sua dissertação unindo as frescuras e fofuras do seu artesanato com muita competência para propor unidade e facilidade a outros artesãos, que juntos em rede e tecnologias podem unir-se.

Como professora é exigente, mas muito amada. Já conquistou placas, prêmios e coleciona lembranças dos queridos alunos. Vibra, torce e acompanha todos. Sempre trilhou com maestria desde os cursos das engenharias a  comunicação e moda. Recentemente assumiu um novo desafio no rural ao passar a  integrar o quadro dos professores do do IFBahiano. Tirou o concurso de letra e foi de mudança para o interior.

Ainda que seja extremamente urbana e por vezes Pathy,  desceu do salto e hoje ensina numa instituição agrícola, onde  tenta ponderar do agronegócio a agricultura familiar. Mudou de look e de cidade, mantendo seu caráter, ética e desejo de preparar pessoas.


A Cissa da família é irmã presente e amada, cunhada querida, Tia, prima e filha presente. De todos é cúmplice, ombro generoso e sabe passar bons e oportunos pitos. Dura e por vezes, ríspida. Para os amigos não possui preconceitos e vai de enterro a batizado de boneca, desde que um amigo convide ou precise. Solidária, generosa e farta.

Nas vésperas dos 37 anos, Cissa com uma palavra é:

 - Desejo: viagem;   
 - Imagem: sorriso;
 - Amor: Agnes
 - Atitude: alunos
 e, com um objeto: uma taça de bolhas.

Cissa é muitas e multi mesmo sendo única. 

A ela rendo minha homenagem, faço as minhas preces e envio todos os meus votos de alegrias, saúde paz e harmonia e sobretudo, minha gratidão.

Filha te amo.Seja feliz neste seu aniversário. Amanhã é dia de comemorar com bolhas, sorriso farto e abraçar os amigos e a família e... festa que é boa começa na véspera. 












22 de fev de 2017

Sob nova direção

Para não negar a fibra dos Azevedo, o Arrozcatum reabre a sua cozinha, sob nova direção. O filho Paulo Azevedo  assume o comando, cumprindo uma de promessa feita ao cozinheiro chefe. 

Recebemos com alegria a noticia e, em volta da mesa, continuaremos a conversar e receber amigos.

Não posso dizer que tudo está tudo como dantes no Quartel de Abrantes, mas sob nova direção, o Arroz inaugura nova fase e manterá sua tradição de luta por um Cabo Verde soberano, comentar a vida cotidiana  e a  nos lembrar fatos e datas importantes.

Nós, amigos e leitores,  somos gratos a Paulo e desde já lhe aquietamos o coração, dizendo que nos  podemos alimentar o fogo, passar a colher na panela, limpar e lavar pratos e deixar tudo a limpo e, vez por outra,  enviar uma receita. Tampouco, seremos exigentes com o novo cozinheiro ou lhe faremos comparações. O seu gesto,  de imensa generosidade, nos basta.

O novo cozinheiro ditará  seu ritmo. De minha parte, manterei  o hábito das visitas e dos comentários porque nos alimentamos diariamente deste espaço. Afinal, caro Paulo como diz o ditado corrente por aqui “quem puxa aos seus, não degenera”.

Vida longa ao Arrozcatum e seu novo cozinheiro.

Braça, 
Nouredini


Na Bahia, o povo na rua comemora a volta do Arroz, Já é Carnaval 2017




20 de fev de 2017

...a vida se alimenta da vida.

A saudade do amigo Zito e a força do habito me fazem ir ao blog Arrozcatum todos os dias. Sei que levarei muito tempo para mudar este rotina. Nos últimos dias recebemos mensagens  dos filhos de Zito, que gentilmente nos agradecem o carinho. Na verdade, saibam eles, que apenas retribuímos o que ele sempre nos deu. 

Também, a rotina no Arroz nos ajuda a confortar leitores e amigos, que surpresos recebem a noticia e, nos mantem unidos entorno do da mesa e fogão da cozinha do Arroz.

Passei no Visão periférica - outro blog de Zito.  Lá, ele se ocupava como imagens surpreendentes colhidas na internet, ou recebida de amigos. Lá imortalizou fotos fantásticas tanto do belo quanto do indescritível da maldade humana. Para os visitantes do Visão deixei um post:

Fica aqui registado que nosso querido amigo nos deixou no dia 13 e passará registrar belas imagens de outras paradas.

Zito foi um grande blogueiro, ativo no seu Arrocatum.blogspot.com, seguido por muitos blogueiros de todas as partes.

Um ativo militante por um Cabo Verde livre e soberano. Exercia seu protesto com veemência e candura. Aos 82 anos era um homem antenado, cercado pela família e amigos. Mantinha ao seu lado o irmão, a mulher amada, companheira de toda uma vida e filhos. 

Os amigos de infância, com quem partilhava memórias do Liceu S. Vicente, o acompanharam a sua última morada e despediu-se envolto na bandeira do Liceu, que hasteava quando garoto.

Com ele fiz amigos que nunca vi, mas que tenho um apreço e carinho imensos. Estes mesmo amigos deitaram uma rosa no peito dele em meu nome. São pessoas fraternas e generosas.

Aos que aqui passarem recomendo ir ao Arrozcatum, pois lá conhecerão o Zito e nunca mais esquecerão.
Da Bahia, Brasil, braça.


Confesso que fico surpreendida o quão pouco aprendi sobre a morte e o morrer. Tantos  ensinamentos me foram dados pela Fraternidade. Já deveria aceitar com mais certeza a impermanência de tudo. Tudo é impermanente, inclusive a morte, pois creio, temos uma nova oportunidade e aqui voltamos.

Aqui nesta minha Bahia começaram os ritos de Carnaval e já se escuta os sinais. Eu de minha parte estou mais para uma quarta de cinzas e passarei por casa ou em pequenos passeios pelo litoral próximo. 

A minha filha Cissa virá para Salvador e sexta será aniversário dela. Assim sendo, terei que festejar-lhe a vida, pois é justo e merecido. A outra filha está em Portugal e depois segue a França com o marido e lá irá comemorar o aniversário no próximo dia 6. Enfim, a vida segue alimentando-se dela mesma.

Eu, 57 anos calejados, descubro que tenho muito a aprender. Entretanto, me orgulho de vos dizer que sei gostar dos amigos, estejam perto ou longe porque no coração, a distancia tem outra unidade de medida.

Como disse Budha: a vida só esta disponível no momento presente. Avante, momento presente, momento maravilhoso!

Braça,
Nouredini