12 de ago de 2018

Passando um café pra meu pai

Revisito estas palavras de meu irmão, na certeza que nosso pai zela por nós.

"Na primeira vez que fui a Angola, quando olhei o sol vermelho de Luanda se pondo atrás do Atlântico, me vi do outro lado do oceano e pensei: eu, filho de meu pai, Waldemar Rolemberg Oliveira, aqui do outro lado do mar! Quem iria imaginar! E tudo que conseguia pensar era em como ele estaria feliz por mim. Dias depois, novamente na beira do mar, pedi um instante ao grupo que me conduzia e fui aos pés de um imbondeiro -arvore q simboliza a ancestralidade, árvore "ao contrário", que parece ter nascido de ponta cabeça e, justamente por isso, é tida como caminho de ligação entre céus e terra em tantas matrizes - foi onde toquei a terra vermelha pedindo a benção a nosso pai. Era novamente por do sol, lá chamado de "hora mágica", pois é no "lusco fusco" que as fronteiras entre mundo material e espiritual se diluem, e assim me senti, tocando nas portas do céu, de ponta cabeça, tocando a planta dos pés de nosso pai. Me senti imerso na grandeza de nosso pai, abraçado e abençoado pelo universo."

A todos os pais que com amor escolheram ou acataram a oportunidade de ser responsável por outro ser humano, que sorriem, choram, sofrem, se decepcionam e se alegram com estes filhos, desejo o melhor: coragem, persistência e oportunidades
Aos filhos que são pais de pais e irmãos, aos amigos presentes e compreensivos - pais de plantão, as mães que assumiram este papel, aos dindos que já descobriram o sentido de serem padrinhos-segundos pais. Enfim, a todos que tem no coração está surpreendente forma de amar, de desejo força, perseveranca e alegrias.
Que o Pai maior nas suas variadas formas de credo, os acolha sempre.
Com respeito,  abraço a todos em nome do meu pai, do meu irmão Walney, do pai das minhas filhas e do meu querido amigo Zito.
Heide - Nouredini

10 de ago de 2018

Agnes, be gentle

Após ler este texto no Facebook e as dezenas de comentários que seguiram resolvi, sem licença, reproduzir aqui o texto de minha filha:

"Agnes, be gentle..."

Em Julho de  2014 ouvi essa frase diariamente quando participei de um curso na Santa Fé University of Art and Design. Fui fazer  um curso de cerâmica no festival de arte e design de lá.  Descobri através da roda de cerâmica que era necessário gentileza e atenção para fazer um jarro de barro.

O nome do curso era At the Wheel - Finding Center. Nome sugestivo. Era necessário equilíbrio, centro e foco para fazer "um jarro subir". Tive muita dificuldade. O professor chegava ao meu lado e dizia be gentle. Demorei a entender que não era sobre o barro que ele estava se referindo. Era comigo mesma! Era para relaxar. Não me cobrar perfeição. Viver o momento. Ter atenção plena.

Demorei... Acho que só agora, tanto tempo depois, começo a entender... Continuo tentando aprender a ser gentil comigo. Tem sido um aprendizado diário. 

Esse processo de respeitar meu tempo e de me permitir viver outras coisas, levou ao fim o meu relacionamento mais duradouro dos últimos anos: a Unifacs. 

Como todo relacionamento tivemos momentos intensos de amor e outros nem tanto... No entanto, em qualquer das circunstâncias, momentos de muitos aprendizados e crescimento.

Esse amor me proporcionou conhecer pessoas e lugares incríveis. Tive alunos especiais, colegas brilhantes e experiências inesquecíveis. Através da Unifacs ganhei muitos dos meus grandes amigos. E até o meu grande amor!

Sou grata por tudo. Por cada dia. Por cada sorriso e cada lágrima. Por cada erro e cada acerto. Tudo me trouxe até aqui. Tudo me fez querer ser melhor.

Agora chegou a hora de ter coragem, tirar da gaveta velhos projetos, vivenciar novas pesquisas e desafios. Vou com a certeza do dever cumprido de quem deu, mesmo errando, o meu melhor sempre.

Sejam bem-vindos o novo, o inesperado, o vento no rosto, os novos sorrisos, os novos amigos, o tempo para rever amigos da vida toda, os novos aprendizados, os novos erros. Sejam gentis comigo também.

Que venha um tempo bom!

1 de ago de 2018

Lá se foram.

Meu pai já se foi nesta vida e nesta fase da vida, estou sem companheiro. Meu irmão sofre com o afastamento do filho, preso num litígio de guarda.

Este dia dos pais estarei sozinha dos homens da minha vida, mas agradeço a Deus pelo pai das minhas filha, bom pai e boa pessoa. A ele  desejo  felicidades, paz e saúde.

Tenho boas lembranças do meu pai e a ele desejo o melhor e a oportunidade merecida. A meu irmão, desejo que esta peleja se acabe logo e pai e filho se vejam de novo.

Aos cunhados, irmãos e amigos desejo o amor dos seus filhos e que aproveitem o caminho que escolheram trilhar.

Ao Pai maior rendo a minha gratidão, respeito e compromisso de honrar a oprtunidade desta vida.
Grata sou.

2 de jul de 2018

2 de julho.

Nasce o sol a 2 julho. Brilha mais que no primeiro.
Minha vó Celestina repetiu estes versos para minha mãe em todos seus aniversários. Este ano descobri que também é aniversário de sua cidade natal.
Minha Mãe - d. Neyde, obrigada por tudo. Espero que saiba entender nossas dificuldaddes. Quisera nos soubessemos, como hoje, sobre os descaminhos da mente, sobre a depressão e a demência. Certamente, a senhora teria vivido melhor.
Sou especialmente grata a Neima Oliveira por tudo que fez pela senhora e a Neiva Costta, que numa fase dificil de vida, mesmo assim, deu seu máximo.
Walney Oliveira será sempre o caçula e ensina ao pequeno João as suas estórias.
Todas suas netas lhe orgulhariam Agnes Bezerra Cissa Bezerra Joana Oliveira e LenaVitória e guardam com carinho suas lembranças de um  tempo bom e uma vó carinhosa.

Que o Pai seja lhe generoso. Sempre o sol de 2 de julho brilhará para a senhora.
Com amor,

23 de jun de 2018

8 ou 80

Ando sumida, mas creiam, não abandonei este cantinho. A saúde vem pregando peças e só sem ir ao trabalho, levei quase 40 dias. Logo eu, que sou caxias.

De gorda virei magra e, até aí, tudo bem e esperado...mas não parou por aí e agora estou abaixo do peso e lutando para não consumir o resto dos músculos.

Essa vida engraçada, onde levei anos lutando para ver o ponteiro da balança baixar, agora tento empurra-lo, a todo custo, para frente.

A todo custo mesmo!, Como de h/h, tomo suplementos e gasto o mínimo de calorias.

Voltei ao trabalho, mas não sei por quanto tempo, me canso para dirigir e só consigo cumprir 1/2 jornada. Tenho contado com o carinho e compreensão dos colegas e Seu Augusto, mas para tudo há um limite.

Passo pouco no facebook, instagram e aqui. Sinto a falta dos poucos que aqui passam ou passaram. Não quero ficar de queixas.

As filhas estão preocupadas e os urmaos também.

Passei um café, vim aqui e deixo beijos saudosos. Espero em breve, estar na normalidade.

Paz e bem a todos.

6 de mai de 2018

Entre um café e outro, achei esta postagem de outono já no inverno

Olá
Aqui é tempo de ventos e chuvas. Nosso outono.
Como disse na última mensagem, eu trabalho com monitoramento e avaliaçāo de projetos de desenvolvimento rural e combate a pobreza.

Nosso povo é guerreiro e com pouco realizam muito.

No dia a dia, tenho um vida que envolve trabalho, estudo, leituras esotéricas e minha casa. As filhas são  independentes e um dos meus prazeres e cozinhar quando elas vêm.  Este fim de semana, a que mora em outra cidade está aqui.

Espero que você  esteja bem e desejo que está guerra finde. Aliás desejo a paz em todos armistício.
Um bom domingo.

P.S. Quantas guerras e ainda alimentamos as que estão se entricheraram em nossas mentes e corações.

5 de mai de 2018

João grandão

Meu menino rapaz,
Estou misturada e com gosto de soro caseiro, sal e açúcar na medida certa e que salva.
O sal vem da lágrimas saudosas que a distância vai impor  e o açúcar  vem da doce  certeza de que um mundo novo, colorido e cheio de oportunidades, tá se abrindo para você.
Por muitas vezes, nos brasileiros, de costas  aos países hermanos nos esquecemos que somos latinos. Os latinos tem honra das suas origens, tem orgulho das seus produtos e tradições.
Um mundo de oportunidades se abre...a família  cresce, vai experimentar a parceria, alegria e dores  de cabeça de ter irmãs. É a vida do primo Rafael, só que contrario porque ele era caçula cercado de irmãs.
Uma nova língua para desbravar e não  só  aprender....vai ser do formal ao coloquial, do mais reverente até  as piadas que vai demorar a entender. Pratos novos, roupas novas, praias novas, maiz , maiz e papas, suspiros e  muita coisa gostosa.
Uma coisa não  vai mudar nunca: Te amo, te amo e te amo.
Tente, invente, mande fotos, zap, e-mails ou sinal de fumaça, mas fique por perto.
Sempre serei sua tivozinha para qualquer conversa, novidades e pitos também. Se souber que tá  aprontando...mando esporro em  portanhol!!!!.
Siga alegre e se abra ao seu novo mundo.
Beijos e beijos meu Joāo Eduardodeodo.