18 de set de 2013

Café clemente - Solo lo pido a Dios


Sólo le pido a Dios - Beth Carvalho e Mercedes Sosa

 
Possa eu, não ser indiferente a injustiça, a dor e a morte porque neste dia estarei morta ainda que respire. Estarei morta, ainda que o coração bata, mesmo que meus pés ainda se movimentem.

Solo le pido a Dios
Que lo injusto no me sea indiferente
Que no me  abofeteen la otra mejilla
Después que na garra me arañó esta suerte

Ser incessível é a morte do corpo e da alma!

Solo le pido a Dios
Que a guera no me sea indiferente
es um mostro grande e pisa fuerte
Toda pobre inocencia de la gente

Também não quero fechar os olhos para não assistir o que de ruim me rodeia ou bandear-me para outras paradas para não participar da minha luta.

Solo le pido a Dios
Que ele engaño no me sea indifeente
Si un traidor puede mas que unos cuantos,
Que esos cuantos no olviden fácilmente.
 


Fico, falo, luto e protesto até mesmo se me faltar café.

Solo le pido a Dios
Que el futuro no me sea indiferente,
Desahuciado esta que tene que marchar
A vivir una cultura diferente.

Que a chama da Fraternidade e do amor compassivo sempre esteja ao alcance dos meus olhos e ilumine os meus dias. Assim,

Solo le pido a Dios
Que ele dolor no me sea indiferente,
Que la reseca muerte no me enuentre
Vacio Y solo sin haber hecho lo suficiente.


 











 
 

17 de set de 2013

Ossos do ofício


Hoje participarei de uma reunião entre a família de uma contratada e a diretoria da nossa cooperativa para falarmos dos recebimentos dos direitos trabalhistas devidos após o seu falecimento repentino, seu seguro de vida e outros procedimentos burocráticos.

Não posso dar-me ao luxo de pensar em dor, pois são ossos do ofício e tem que se dar andamento. Estarei lá pontualmente as 15h , cheia de café até os fios do cabelo!
 
 
 
A colega em questão era mais que colega: era uma filha, vizinha, que ví crescer e florescer  como pessoa e profissional e numa manhã de trabalho partiu repentinamente. Nossa Maria foi-se para outras aventuras.

Estes momentos exigem racionalidade, mas não necessariamente frieza. Ser racional nestes casos é apartar-se um pouco do evento, listar as providências e tomar encaminhamentos. Entretanto, há que ser emocional porque é necessário a escuta compassivo dos familiares, dar-lhes a atenção, ser fraterno e entender suas agonias e até revoltas.

É preciso entendê-los em meio ao luto e  a dor e não coisificar a pauta da reunião .

Peço aos Mestres que nos iluminem neste momento e que possamos ser práticos, sem ser apenas tomadores de medidas administrativas. Que não nos esquivemos de olha-los como pessoas que perderam e muito, aos quais apenas, podemos  minimizar a parte prática desta perda.

Hoje todo café será bem-vindo  e me darei direito ao choro após a reunião.
 
Que seja o melhor porque Maria merece!

Inscrição feita na parede do corredor do meu quarto.
Maria nos continuamos  a te amar e a vida é mais que esta passagem: -  É a eternidade!
 

 

 

13 de set de 2013


Café poderoso.

Dizem que sexta-feira 13 é um dia de azar, mas o que dizer quando chega o dia 20 e o dinheiro já se acabou na conta? Quando passa do dia 5 e o salário não chegou. Lembro ainda o pânico do dia 1º e a chuva de contas a pagar...

Todos os dias podem ser alegres ou tristes a depender de onde e como nos encontramos. Como diz o velho Caetano: -  alegre, triste ou poeta!

Há o ansiado dia primeiro, que vira o calendário e nos enche de esperança; os diversos feriados que nos brindam com descanso em meio a semana de trabalho; as datas lembradas dos aniversários de quem gostamos; o eterno 25 natalino e fraterno  para muitos e muito, muito mais.

Hoje 13 de setembro de 2013, por exemplo, marco posição contra muitas coisas que vem ocorrendo num ambiente virutal  que deveria ser fraterno e amigo. Assim, cuidarei de imediato em conversar com que é responsável e não deixar que a minha mágoa ou impressionabilidade cresçam e me esforçarei para que tudo se encerre nesta data.

Assim, nos fazemos os dias com as nossas emoções, sempre fresquinhas, seja boas ou amargas e para todas elas existe um santo cafezinho para nos aquietar a alma!
 
De uma coisa tenho certeza, em datas variadas, passo aqui e dou um dedinho de prosa e isso me deixa feliz porque sorte mesmo é ter vocês!

 

Reprodução não autorizada. Se desejar será excluída

11 de set de 2013

Ruim mesmo quando velho, só o café!

Esta semana apregoei que a idade não confere beleza, mas pacifica. Mais que isto, a idade nos deixa  à vontade com que temos de bom e ruim, de belo e feio, estético ou não. Passamos a ser mais autênticos  e mais condescendentes conosco.

Quando jovem usava os cabelos  longos para esconder as orelhas grandes. Hoje uso argolas e ponho os cabelos para trás, sorrio com meus dentes grandes, tortos e faltantes e arrisco a achar-me bonita em alguns dias (raros..rsrrs)

Voltei a controlar o peso por necessidade e por vaidade, sai de obesa para gorda e em breve...gordinha. Magra? É pedir muito e espera demais! Velha magra, fica pelancuda!

Este ano comprovei que nos apaixonamos e amamos com a mesma intensidade da juventude, mesmo na velhice e, nem nos preocupamos com quantos anos teremos para curtir estre amor. Também, sofremos com as separações e decepções. Eu sofri!


O que muda em relação ao amor é que nos recuperamos bem mais rápido, porque temos tantas coisas para viver ainda, que não podemos perder tempo a chorar estas perdas. Embrulhamos as perdas  num papel azul e carregamos  no cantinho do coração, no espaço das memórias.

A esta altura, sabemos o quanto  e onde precisamos mudar, mas nos conformamos em mudar apenas o que é possível, sem culpas e sem autopiedade.  Mantemos pilares da nossa construção -  a ética e valores  e neles acomodamos  as ações diárias , tijolo por tijolo,  num desenho lógico. Ops, isto é de Chico Buarque!

A saúde piora como contrapartida aos excessos da juventude e da degeneração celular, mas também exigimos menos do nosso corpo, somos mais compassados e temos outro ritmo. Aprendemos a negociar os dias e suas necessidades particulares, intercalando doses de descanso.

Então, não vejo desvantagens nos meus 54 anos, porque penso que ruim mesmo quando velho, só o café!

 

 

 

10 de set de 2013

Mão Fina: - Café no Senadinho


Hoje estou profundamene irritada com tanta roubalheira, enquanto trabalho todos os dias desde os 17 anos para pagar as minhas contas. Trabalho para que não falte meu pó de café e para que eu possa toma-lo num lugar decente.
 
Pago luz, telefone, aluguel, condomínio, internet, comida, roupa, remédios, médicos e eventualmente lazer. Pago as contas junto com as minhas filhas. Trabalhamos muito e trabalhamos duro!
 
Hoje soube que meu plano de saúde, que quase não tem cobertura, vai aumentar 6,5% e meu aumento de salário será de 2,3%. Bolas, que não as tenhos! Estou no limite.
 
A caminho do trabalho ouço o disco de Arlindo Cruz e um samba seu, que mais é um partido alto associado ao funk de D2  e...pimba, encontro uma música que é a cara dos senhores governadores, deputados e senadores . A eles dedico este sabinha maneiro:

Mão fina

Fala, mão fina
Eta, mão ligeira
Diplomado na esquina
Em malandro de primeira
Se fosse trabalhador
Salvava a nação inteira
Seria operário-padrão
Da indústria brasileira (mão fina)
E no jogo de ronda sempre tirou onda
Puxando um galho
Que ninguém acerta; É o rei do baralho
A mão mais esperta, melhor jogador
Mas se fosse trabalhador
Teria outra carreira
Seria operário-padrão
Da indústria brasileira
Fala, mão fina...
Tremendo mão leve
Que sempre se atreve e mete a forquilha
No trem ou na pista dispensa quadrilha
Diz que ser punguista é encantador
Mas se fosse trabalhador
Em vez de bater carteira
Seria operário-padrão
Da indústria brasileira
Fala, mão fina...
Se ele tivesse um ninho
E muito carinho da família inteira
Seria operário-padrão
Da indústria brasileira
Se ele tivesse acesso
À ordem e o progresso da nossa bandeira
Seria operário-padrão
Da indústria brasileira

Não digo que vão se ferrar porque ferrados estamos nós!

6 de set de 2013

4! Fatorial de estações


Hoje postei no Facebook  um comentário:  Quando jovem e meio metida, costumava assinar  e datar com as estações: primavera, 1975. Depois houve tantos invernos...que aprendi a viver cada dia e ficar feliz com ele!

Não sei se foi o frio do inverno ou esforço em aquecer-me, que gerou a compreensão de que as estações são estados  d’alma, que se sucedem em nós independente do calendário. Há flagrosos dias iluminados de sol que invadem a alma, enquanto chove torrencialmente lá fora. Há também, dias de intenso frio, que só sopa quente aquece a alma, apesar do verão escaldante que invade a paisagem.

É fato, que contabilizei muitos invernos tenebrosos, nevascas infindáveis e centimentros e mais centimentros de gelo na soleira da minha porta, o que me imobilizou durante dias. Entretanto, não posso esquecer das muitas flores de primavera  que encontrei no meu caminho, singelas e despretenciosas, que acenaram com um sorriso iluminador. Lembro das flores que plantei e das que colhi com carinho: rosas de amor, cravos profissionais, jasmins amigos, filhas com sorrisos-de-maria , amados em botões de rosas, irmãos bem-me-quer, colegas em floradas de laranjeira.

Tão pouco,  me faltou  o intenso calor das paixões e  o sol incandescente dos amores. Foram muitos verões, verão! Os que me cohecem viram. Entretanto penso quea  mais dura das estações, mais incomoda,  mais dificil que o inverno é o outono. Sinto-o como algo que nos desfigura, troca a casca, arranca folhas e sacoleja com a ventania. O outono é uma mistura de saudade e esperança que lutam entre si para ver quem me ganha alma.

Para amenizar esta leitura pesada, aprendi a pensar no outrono como a estação das frutas, um truque que criei para suporta-lo. Outro artificio é pensar nas colheitas, mas lá vem Djavan e diz: - “Drão o nosso amor é como um grão, tem morrer para germinar”. Acho que ele sente algo parecido ao que sinto, mas tem a poesia que não tenho. Fazer o quê, senão copia-lo!

Assim, nossos 4 corpos materiais – físico, mental  sensacional e emocional passeiam  nas 4 estações num inifinito de possibilidades.  Então, se no mínimo é 4!  preferi  viver as variações diárias  e aproveitar o melhor de cada uma delas na companhia do meu cafezinho.

Beijos calorosos molhados de chuva, um bouquet de flores mimosas e uma cesta de frutos maduros. 

 
Neima, peguei seu jarrinho emprestado.
 

4 de set de 2013

Neima e seu bolo sex, sexagenário!



Hoje é aniversário da minha irmã Neima Oliveira, que chamamos carinhosamente de Teima. Sim, ela é teimosa!
...ela teima em continuar a acreditar nas pessoas, em ser generosa, teima em ser bondosa, em amar as sobrinhas, os irmãos;

- ela teima em continuar ativa, enfrentando a vida com disposição;
- teima em ter memórias da família para partilhar com todos;
...espero que ela teime em continuar nos dando o prazer de sua presença por muitos anos!

Beijos minha irmã. Vamos marcar uma café no final de semana para comemorar.
Seja feliz!



 
Neima, adora fotografar as flores simples e belas que encontra no caminho!



3 de set de 2013

café sem bolinho!


Quando o sucesso no VP é apenas continuar e  perseguir, calmamente, a meta.

Sou vigilante e como muitos vigilantes de profissão dou os meus cochilos e quando isto ocorre, ganho peso. Aprendi que nada é perdido na aritmética da vida e assim, vou aprendendo a cada vez, a errar menos.

Para os membros do VP ( vigilantes do Peso - WW) de metas longas, o caminho é mais árduo porque sempre que ouvimos um depoimento de alguém que alcançou a meta, não há como não correlacionar o quanto ainda falta para nossa. Na verdade, as agruras começam em saber-se num programa de média de 12 semanas, com emagrecimento esperado de 0,5  semanal, quando se tem 40 kg a eliminar!

A rotina das reuniões estimula e nos mantem interessados, mas chegam os platôs, chega a falta de saco, a semanas impares e negativas onde você não quer festejar a meta de 5 kg e a cartão de sócio de vitalício do outro. Egoísmo? Sim, puro egoísmo e até inveja. Culpa? Sim. Adianta, não.

Penso e repenso, continuo e lá se vai mais uma semana. O sonho de ser membro vitalício, atingir o peso ideal e até vir a  ser orientador vai ficando cada vez mais distante, porque vai se perdendo nas semanas e nos inúmeros boletins cheios de adesivos, que até lembram nossos álbuns de figurinhas de quando éramos crianças e parece que nunca encontraremos aquela última figurinha que falta.

Recomponho-me, penso nos recém chegados, obesos e cheios de esperança. Já fui assim, a 22kg  passados e só faltam 18 kg. Meu Deus,  18Kg!  É hora de escolher se penso que a metade do copo ainda esta cheia ou a metade já esta vazia.

Faço a escolha otimista: -  falta menos da metade e, quem sabe até me aposentar, consiga. Respiro, me recomponho, volto a sonhar que um dia poderei juntar as minhas praticas de comunicação e extensão com o trabalho de orientadora e assim fazer algo gostoso e manter o peso.

A todos que como eu tem metas de longo prazo, lhes digo - não desistam e se permitam invejas e  vacilos. Não se culpem, isto só demonstra que ainda estam se importando com o seu excesso de peso, ainda estão preocupando-se com isto e que poderão  continuar lutando.

Chegaremos lá!

 

1 de set de 2013

De pai prá filho!

Sustentabilidade tecida com carinho poderia ser um dos títulos para as fotos abaixo. Nada mais forte em nossas memórias do que as cenas assistidas, onde  nossos pais faziam algo com prazer e logo, corriamos a imitar.
As cenas são do sertão da Bahia,  município de Macururé, lugar que poucos ouviram falar. O pai, agricultor experimentador, testa novas formas de plantar, aproveitando o que tem ao seu alcance.
Este homem tem tirado o máximo do que aprendeu sobre novas tecnologias e sutentabilidade. Sobretudo, porque entendeu que o novo, o da hora como dizem, muitas vezes significa voltar um passo, observar e aproveitar o que se tem a mão, o que já se adaptou às condições locais.
Vale tudo,  vale saber limpar o lixo do mundo também!  Aproveitar as garrafas de refrigerantes que já alcançam qualquer recanto deste mundão de Deus.
Acocorado, o filho imita o  pai e na sua expressão feliz ao lado da plantinha,  demonstra toda sua meninice, a  alegria em saber que, apesar da maior seca dos últimos 50 anos, seu bodinho vai comer e  rir!.
Sou feliz pelos que com  pouco, fazem tanto;
Sou feliz pelos pais que sabem amar com suas ações diárias;
Sou feliz porque sustentável para futuras gerações,  nem sempre se dá em discusos complexos;
Sou feliz porque o bioma da caatinga resiste.
D. Rosa, passa um café que eu tô chegando...eita poeirão!