30 de jul de 2015

Bolo de casamento.

A minha filha mais velha vai se casar. Desde maio mudou-se para o apartamento do namorido e estão em providencias. A oficialização é uma opção deles, assim como ter ou não ter comemoração.  Acho que cabem ao casal tais decisões.

Nunca alimentei sonhos  de casar as filhas em modos convencionais, vestida de branco e ornada em flores, mas me confesso feliz que tenha decidido avisar aos pais, mães, tios e primos. Encontros felizes geram boas lembranças e lembranças s é o melhor patrimônio.

Não haverá cerimônia religiosa porque são de diferentes credos.  A união será legalizada para facilitar a vida de ambos e depois almoçaremos juntos, ambas famílias. Não tenho nenhuma intimidade com os pais do casal. Aliás, conheço a mãe, a irmã e alguns tios que encontrei num almoço. O  pai do noivo e a madrasta conhecerei no dia do casamento.

Assim, uma nova família surge.  Não reclamo de ter sido rápido porque casei mais  rápido que eles e em muitas ocasiões.  Acho esquisito conhecer a maior parte da família no dia do casamento, mas a de cisão é dos noivos e me cabe acatar.

A minha filha tem estado feliz e isto é o que mais me importa. O meu genro é bom menino, agradável e cuidadoso.  A minha outra filha em participado nas providencias, então está tudo certo. Que siga o curso e desague em alegrias.

Uma novidade me deixou feliz: terá bolo porque casamento sem bolo não tem graça.

Cuidem de ser felizes!


Foto web

27 de jul de 2015

Café com emoção.


Este final de semana foi  impar.  Comecei o  sábado a procura da minha irmã Neima,  que não dava noticias e nem atendia ao telefone por quatro dias.  Procurei notícias com os amigos, olhei nas redes sociais onde ela é assídua frequentadora e deixei vários recados.

Depois de muitos cafés e ponderações, resolvi esperar até o meio-dia do sábado para partir a busca no apartamento de Salvador  e, caso não a  encontrasse, ir até a cidade de Feira de Santana, onde ela ensina e tem  um village de apoio. Fomos eu e Neiva a cata de Neima.

No caminho tentei manter os pensamentos calmos, mas vinha a mente as providencias se o caso fosse de internação, ou até pior, de funeral. Ao chegar no prédio, o mesmo onde residiam os meus pais, ela também estava desembarcando de um taxi.  Não sabia se ria de alegria ou se lhe dava um sabão, qual a uma criança que passara do limite.

Imaginem a situação: - eu com 56 anos, Neiva com 60  e Neima (teimosa) com 61. Ela mostrou-se surpresa com nossa angustia e disse apenas que  ficou sem os carregadores dos celulares, lá em Feira de Santana, portanto sem Net e sem fone. Ora bolas,  ligasse a cobrar, mandasse sinais de fumaça... mas não nos preocupasse tanto.

Resolvi leva-las comigo para casa e passarmos o final de semana juntas e foi, no mínimo, hilário. Rimos, brigamos, nos irritamos, fomos às compras, nos perdemos e nos achamos. Reclamamos!. 

Salvo pela inequívoca presença dos sinais do tempo, marcadas pela minha dor de coluna, pelas restrições de café e chocolate de Neima  e pela falta de ar apresentada por Neiva, éramos de novo as meninas de  D. Neyde e seu Vavá, netas de Tinda e Laura.

No dia das avós nos brincamos  como crianças e netas do nosso próprio tempo!




21 de jul de 2015

Véspera de pouco produz dia de muitos





Hoje é um dia de muito ganhos e retornos. Muitas saudades a aplacar e visitas a fazer. Muitos carinhos e abraços devidos a  quitar. Hoje é dia de café em mesa farta.
 
O dia vai começou com um bom café com pão quentinho - feito por mim; geleias, queijo minas ou serrano e até um homus para lembrar quem gosta e por aqui costuma passar. O almoço será no melhor da tradição do  Cabo Verde e terá Arrozcatum, servido com fartura em mesa posta com garbo nas toalhas de puro linho do Rendasdebirras. Não faltarão os pasteis de nata e vinho do Porto. Terá cafezinho coado, a italiana, espresso e espresso de cápsula.

...e quando a noite cair nas badaladas das seis horas,  ecoarei o Mantra Sagrado Om e darei bênçãos a Fraternidade, à família de carne, a de espírito e àquela feita de laços amizade porque sou feliz!

Beijos meus amores de casa e de outras pátrias. Eu estou voltando!!!


                                                      o tempo nublado ficou para trás!