21 de jan de 2015

Café com poeira

Não se mede alegrias nem dessabores com os outros, mas por coerência neste período onde o amigo Zito estava passando uma fase aziaga, resolvi não fazer queixas da minha obra...mas agora digo-lhes...a saga continua!

Auxiliada de perto pela filha Cissa e com a torcida ao longe de Agnes reiniciei os trabalhos. Não diria do zero porque foi -1, tive que recuar a fases já prontas antes da entrada do pedreiro “maledeto”. Além de quebrar e retirar todo piso que ele fez, estão previstos refazer o contrapiso, raspar as paredes que ele sujou, passar nova massa corrida e pintura, jogar fora os ladrilhos portugueses que comprei em antiquário e assentar novo piso e revestimentos.

Nesta fase, arranjei um anjo da guarda, um colega e amigo de Cissa – Marcus Vinicius, que é do ramo, design de interiores, que me enxugou as lágrimas e acompanhou nas compras, escolheu materiais, arranjou novo pedreiro e vai acompanhar nas orientações. Santo Marcus!

O que seria um cimento e alguns detalhes virou uma obra, um mundo de sacos de entulho para encher, além frete e descarrego, compras de  tinta, argamassa, rejuntes, cerâmica e revestimento. O apartamento nem cabe de materiais e descartes, tudo lá dentro porque o condomínio não autoriza a colocação caçamba de entulho na área externa.

Enquanto corro na minha obra, no apartamento onde moro se amontoam os meus móveis e os de mina filha que começam a chegar. Eu não saí quando previsto e ela não pode colocar o que comprou no lugar e resultado: -  tudo em pares – geladeiras, fogões, sofás, mesas. Já nem se anda ou arruma, mas ela estava pacientemente esperando. Santa Cecília!

Quis o Pai mais uma  provação e assim, Cissa que resolvera renovar o nosso aluguel e morar no mesmo apartamento e já  deu providencias aos seus móveis, acaba de ser surpreendida pela proprietária, que voltando atrás em sua palavra, resolveu vender o imóvel dando-lhe 2 meses para mudar.
Agora ele nem vai desembalar o que comprou e está a procura de outro para mudar só, longe de mim e da irmã. Tantas confusões, que estamos as duas azoadas.

...mas ainda faltava um pouquinho, uma quebra e ontem na obra ao terminar a instalação de luminárias e  chuveiro e ligar a chave geralveio o pipoco. Apesar de constar nas plantas e do memorial descritivo uma voltagem de 110 e apenas 220 na tomada de Split/ar-condicionado, todo o apartamento está em voltagem errada e foi um pipoco só. Liguei para construtora e terei que esperar a burocracia e ser refeita toda parte elétrica.

Espero que Cissa tenha ajuda Divina e consiga ficar no mesmo condomínio que moramos, estamos a cata de um vago,  pois já conhecemos os porteiros e serviços, além de ser próxima da minha outra filha e do meu genro. Ela merece porque tem sido torturada pela minha obra e mudança. Desejo que a paz a alcance rápido.

Para amenizar minhas agonia e sabedores que café é o meu remédio para tudo,  Agnes e o “namorido” me presentearam com  outa cafeteira. Agora terei direito a muitas escolhas e a afogar-me em café enquanto espero. Ontem mesmo fiz um estoque de 72 cápsulas de café com leite da Dolce Gusto e 48 de diferentes tipos de expresso 3 corações.

O trabalho? vai mal das pernas; a saúde? mais ou menos; o dinheiro? nem perguntem, mas sempre estarei aqui para um cafezinho.



Beijos empoeiras e desvairados

Agnes e Beto de férias, torcendo ao longe

Cissa, fiel escudeira


6 de jan de 2015

218 xícaras de café em 4 dias, ops ...votos


Estou zarolha e espantada não por excesso de cafeína, mas pela quantidade de clicks recebidos no concurso de fotos sobre o tema café. Estou concorrendo a um kit barista e os votantes a 4 pacotes de cafés especiais.

A foto não é das melhores, mas os amigos...estes são especiais. São amigos, irmãos, conhecidos, filhas, alunos das filhas e até o Valdemar lá do Além Mar já parou para votar. É fantástico ver esta corrente.

Tomo um café atrás do outro e entro para verificar os clicks, que só se somam. Sei que há fotos melhores, fotos com menos e mais votos, mas eu tenho 218 pessoas que pararam para me prestigiar e isto não tem preço e vale, no mínimo, um cafezinho para cada um.

Assim, com este prazer despretensioso, o  meu início de ano ganhou nomes, cores,  alegrias e surpresas. Cissa tem se empenhado e já envolveu amigos e alunos. Agnes está no Chile, mas clicou de lá e o genro também.

Já teve até quem fizesse o pai , a mãe e a vó votarem - o lema é.. tem e-mail  ou facebook, vota!

Cada click uma alegria renovada e os  cafezinhos se espalham pelos 4 cantos do meu mundo, onde eu reino feliz qual criança. Só agora, depois de velha, entendi e experimentei que o importante é competir.

Click, click,click e beijos agradecidos 


click no link e vote também!                     https://anapp.me/f/B-D/49/+83

2 de jan de 2015

café de ponta-cabeça

Quando se pensa em sexta-feira, o que vem na mente da maioria de nos? -  o fim de semana, último dia de trabalho e o descanso pela frente. No mínimo, diria que é  esquisito o  primeiro dia útil do ano ser numa sexta-feira. Dia de terminar e não de começar. Só se começa na sexta os retiros, férias, o lazer, a farra...

Este ano já começa diferente por ser uma sexta, com expediente cheio, com mudanças que não esperam para segunda e com muitos cafés tomados na ansiedade dos corredores.  Mudou a Presidente, mesmo que seja a mesma, mudou o Governador, mudaram os Secretários de Estado e todos os chefes em cascata e, nós mortais, a custa de muito café, ficamos pé e noutro, esperando de quem virá as ordens.

Num feriado prolongado, aqueles que antecedem o final de semana e chamado de feriadão, teríamos compensado o expediente e estaríamos de folga, mas mudou o Governo, zerou o placar e as paradas são permitidas só para o cafezinho. Muitas férias foram suspensas por decreto e outras por bom senso, sob o risco de voltar e não encontrar mais seu cargo ou função.

Apesar de trabalhar para o Governo não sou funcionária ou empregada publica, sou o que chamam de terceirizados. A expressão terceiro já dá ideia de outro,  com ranço de fora, de dispensável. Integro uma equipe de um projeto internacional com recursos do Governo do Estado e do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola. Passamos por processo seletivo para estar aqui, mas a rigor não é um concurso público e sim uma seleção.

Este fato nos diferencia dos que são funcionários de carreira  ou empregados de empresas publicas e que permanecem, salvo por falta grave. Nós podemos ser demitidos a qualquer momento e o que nos mantém é o bom senso sobre o que pode causar ou  não a perda de continuidade nos Projetos, a essencialidade  ou especialidade dos nossos serviços, as supervisões e pontuações do Fundo.

...mas como saber sobre senso, bom senso na cabeça de outrem?!



Então, cá estou  no trabalho, na terra do Axé, em plena sexta-feira – a primeira do ano, dia de Oxalá, vestida de branco, sol escaldante lá fora, rente no batente  e disponível para o meu chefe , que por enquanto é o mesmo Seu Augusto e tomara Deus não mude.

Que venha um 2015 cheio "do que fazer" porque o povo do sertão precisa e nós também!




Comemoremos todas as oportunidades que vida nos oferta

As folhinhas de oliva sobre a mesa são em homenagem aos amigos do Além Mar, que estiveram no meu coração e pensamentos durante a virada do ano novo