28 de abr de 2014

A Copa das ilusões é igual a um café frio.


Todos nos brasileiros estamos enfrentando muitas crises. É verdade, que para muitos há quase 12 anos, muitas coisas melhoraram e quanto mais pobre ou miserável, melhor foi o alcance das políticas públicas. Sem dúvidas, temos menos fome e mais educação. Ainda que estejamos longe de soluções, a última década foi muito melhor que as anteriores.

Não estou contente com o Governo pelo qual lutei , vi formar-se enquanto partido, mas não sou irresponsável em comparar os dias atuais aos velhos tempos de outrora ou pior, aos tempo de ditadura.

Para quem come poeira em estradas fica claro que falta muito, mas fica claro também, que se fez muito mais que antes. Tem mais água, mais saneamento e até mias grana, mesmo que paliativas, as politicas de transferência de rendas como a Bolsa família alcançam a muitos.

Aqui na Bahia,  passamos por uma seca grave – a pior dos últimos 60 anos e se não fosse pelo pouco realizado nos últimos anos,  teríamos tido uma catástrofe sem proporções. Há falhas e muitas, graves falhas de planejamento, execução e avaliação das realizações e se colocarmos uma lente que os permita ver de perto o funcionamento das instituições, veríamos que muitos e sérios vícios se mantêm.

Há corrupção, há incoerência e há desmandos,  mas com a fundamental diferença de que já não são jogados para baixo dos panos e nem são presos os que delatam.  A economia não é a desejada, mas tem se mostrado ligeiramente estável e o varejo cresceu, aumentou  o acesso dos pobres a bens de consumo duráveis e os níveis de emprego está consideravelmente melhor.

No meio disto, o pais do futebol assume a realização de uma Copa, uma manobra das muitas da FIFA, sempre a serviço dos mesmos.   Canaliza-se todos os recursos para estádios, vias e uma série de coisas que não terão, como em outros países, uma utilidade efetiva após o evento.

Soluções parciais de mobilidade urbana exigem que o Brasil pare por vários dias úteis durante o mês de junho. O efeito cascata das paradas é catastrófico para o comércio e não será compensado pelo incremento de venda aos turistas.

O pequeno varejo não vai suportar, as escolas vão atrasar todo calendário e o serviço público vai virar um caos. Numa conjunção ainda mais fatídica, neste ano teremos eleições majoritárias, ou seja, não se discute as mudanças políticas aos gritos de gol. De julho a frente a legislação impõe data de parada legal par uma série de licitações e contratações e serviços públicos.

Um ano de caos e a Copa se tornou um café frio e sem graça!

Viuji, valha-nos a santa garrafa térmica!




                                                          Em meio a desesperança, uma alegria - nasceu João Manoel, filho de meu irmão.


14 de abr de 2014

Escondida atrás da mesa!


Tenho sonhado com uma mesa de cozinha onde possa abrir massas, preparar recheios, cortar legumes com espaço. Penso numa daquelas mesas que fazem às vezes de estação de trabalho e eram tão comuns nas casas de antes e hoje são cuidadosamente inseridas nas cozinhas planejadas por arquitetos e designers.

Talvez,  ande revisitando o bucólico dos filmes italianos, gregos ou sonhando com as quintas portuguesas. A verdade é que tenho desejado voltar a ter uma cozinha com janela, panelas expostas, apetrechos a mão.

A ideia de algo fresco, criado, produzido, quentinho e cheirosos como um cafezinho fresco tem embalado os difíceis momentos  que passo junto como minha filha e traz uma certa harmonia ao meu dia.

Tento realizar, ainda que por partes, esta fantasia e produzo ervas na varanda, faço queijo nos finais de semana, faço pão de 2 em 2 dias  e asso as aves em fogo lento e, por  momentos, a pequena cozinha do meu apartamento  cheira igual a dos meus sonhos.

Moer o café na hora de  passar, fazer um chá com folhas frescas me traz tanta felicidade, quanto a modernidade de ter a minha máquina de fazer água com gás e ouvir o sinal sonoro do time do forno . Assim, a cozinha pode ser em moldes antigos no tamanho e forma , mas com confortos da atualidade.

Ando na fase dos quiches  com recheios variados e me dedicando de corpo e alma a produção de coisas gostosas sem lactose. A minha filha Cissa, tem intolerância a lactose, e isso quase virou sinônimo de comida sem gosto até travarmos uma guerra contra este conceito injusto.

Entre uma ida e outra na cozinha faço uma longa parada de descanso porque ofego mas do  qualquer outra coisa. Até parece que corri uma maratona entre a pia e a geladeira. O fato que com todos os exames feitos ainda não descobriram o que tenho e vou levando aos trancos e barrancos, entre um exame e outro. O próximo será uma cintilografia coronária com estresse farmacológico, seja o que for, o nome é chic e o preço alto!

Trabalho todos os dias normalmente, salvo quando um piripac me manda mais cedo para casa, faço Yoga e continuo frequentando a Fraternidade, onde reúno forças e toco o bonde.

Como a vida é feita no presente, hoje estou bem e com expectativas de utilizar o Mandolim novo em vários cortes para legumes.Hoje também é dia de fazer pão e frango de batedeira.

Aliás, frango de batedeira é algo de preguiçoso, mas uma das melhores descobertas dos últimos dias. Farei um post só para o frango no soro caseiro e  desfiado na batedeira – base para todas as necessidades!

Acho difícil não relembrar ou mesmo inventar um cantinho de lembranças boas, quando a janela lá fora nos mostra  as duras lembranças dos 50 anos do famigerado golpe militar de 1964, loucos que ainda fazem apologia a ditadura, das Forças de pacificação nos morros do Rio e uma Copa totalmente inoportuna .  A América Latina ferve na Venezuela e há greves na Argentina, dúvidas na Colômbia, isso para não falar do outro lado do mundo.

Olho as minhas ervas na varanda e me sinto feliz e agradecida.
Momento presente, momento feliz!

Beijos especiais neste dia do café!







                                    Foto Facebook

4 de abr de 2014

Quer andar de carro velho, então venha!

Hoje estou me sentindo como um carro velho e daqueles mal cuidado.  Um carro que o dono não fez as revisões obrigatórias, não cuidou e só mantém limpo. Afinal, pelo menos  limpo e com documentação em dia!

As avarias do tempo e uso frequente do motor começam a se apresentar, aqui  e ali , um pino bate e uma correia folga.  O motor tá rajando e o eixo já resmunga.  Talvez, o trato de limpeza e aparência até enganem na pista, mas o ruído da respiração ofegante,  o velocímetro do tempo e os ponteiros tensiômetro, já apontam os excessos.Diante do quadro, fui forçada a encostar para uma revisão.  Revisão com R maiúsculo, daquelas em que você faz  uma queixa  e só  vai saber de fato o que acontece, quando desmonta tudo! 

O mecânico de gente tem feito diversos testes e vai passando de um problema a outro, como se fossem fases de um game.Ontem, controlada a pressão e revisado o coração, viu-se que as falhas encontradas até merecem cuidado, mas não justificam o desempenho afetado do meu  motor 5.4 quase 5.5. Vamos  buscar em outras áreas,  ampliar a prospecção  porque se não é o motor/coração será bomba de injeção lá no pulmão?

O fato é que o motor aquece e  perde a força com facilidade!

Se fosse um carro de verdade - apesar de dirigir mal, gosto de mecânica - arriscaria um palpite: cisco na agulha da bomba, afinal a gasolina anda de qualidade duvidosa!

Lá  vou eu  me arrastando nas oficinas, passando por testes, gastando tempo, grana e paciência e o motor... Já ando com o cartão do seguro em mãos e do serviço de emergências, caso venha a precisar de um reboque.

De tudo , o que mais lamento é que tiraram de cara, sempre comprovação técnica,  o aditivo que tanta usava e me faz uma falta danada: - o meu cafezinho!

Pisca-alerta ligado, sigo em frente, devagar, mas sempre.

Beijos para todos, especiais afagos aos amigos de Portugal e Cabo Verde


                                             Duda e Duda, filho e neta - Depois explico, rsrsrsrs!

___________________________


Carro Velho

Ivete Sangalo



Cheiro de pneu queimado
Carburador furado
Coração dilacerado
Quero meu negão do lado
Cabelo penteado
No meu carro envenenado...
Eu vou, eu vou, então venha
Pois eu sei
Que amar a pé, amor
É lenha...(2x)
Eu vou prá lá dançar
Seja noite ou seja dia
E se eu beber alguma, amor
Me guia...
Eu vou pra lá dançar
Seja noite ou seja dia
E se eu beber alguma, amor
Ouoo oh oh me guia...
Quer andar de carro velho, amor
Que venha
Pois eu sei que amar a pé, amor
É lenha...(2x)
Que venha...é lenha
Eu sei que amar a pé...
Quer andar de carro velho, amor
Que venha
Pois eu sei que amar a pé, amor
É lenha...(4x)