14 de abr de 2014

Escondida atrás da mesa!


Tenho sonhado com uma mesa de cozinha onde possa abrir massas, preparar recheios, cortar legumes com espaço. Penso numa daquelas mesas que fazem às vezes de estação de trabalho e eram tão comuns nas casas de antes e hoje são cuidadosamente inseridas nas cozinhas planejadas por arquitetos e designers.

Talvez,  ande revisitando o bucólico dos filmes italianos, gregos ou sonhando com as quintas portuguesas. A verdade é que tenho desejado voltar a ter uma cozinha com janela, panelas expostas, apetrechos a mão.

A ideia de algo fresco, criado, produzido, quentinho e cheirosos como um cafezinho fresco tem embalado os difíceis momentos  que passo junto como minha filha e traz uma certa harmonia ao meu dia.

Tento realizar, ainda que por partes, esta fantasia e produzo ervas na varanda, faço queijo nos finais de semana, faço pão de 2 em 2 dias  e asso as aves em fogo lento e, por  momentos, a pequena cozinha do meu apartamento  cheira igual a dos meus sonhos.

Moer o café na hora de  passar, fazer um chá com folhas frescas me traz tanta felicidade, quanto a modernidade de ter a minha máquina de fazer água com gás e ouvir o sinal sonoro do time do forno . Assim, a cozinha pode ser em moldes antigos no tamanho e forma , mas com confortos da atualidade.

Ando na fase dos quiches  com recheios variados e me dedicando de corpo e alma a produção de coisas gostosas sem lactose. A minha filha Cissa, tem intolerância a lactose, e isso quase virou sinônimo de comida sem gosto até travarmos uma guerra contra este conceito injusto.

Entre uma ida e outra na cozinha faço uma longa parada de descanso porque ofego mas do  qualquer outra coisa. Até parece que corri uma maratona entre a pia e a geladeira. O fato que com todos os exames feitos ainda não descobriram o que tenho e vou levando aos trancos e barrancos, entre um exame e outro. O próximo será uma cintilografia coronária com estresse farmacológico, seja o que for, o nome é chic e o preço alto!

Trabalho todos os dias normalmente, salvo quando um piripac me manda mais cedo para casa, faço Yoga e continuo frequentando a Fraternidade, onde reúno forças e toco o bonde.

Como a vida é feita no presente, hoje estou bem e com expectativas de utilizar o Mandolim novo em vários cortes para legumes.Hoje também é dia de fazer pão e frango de batedeira.

Aliás, frango de batedeira é algo de preguiçoso, mas uma das melhores descobertas dos últimos dias. Farei um post só para o frango no soro caseiro e  desfiado na batedeira – base para todas as necessidades!

Acho difícil não relembrar ou mesmo inventar um cantinho de lembranças boas, quando a janela lá fora nos mostra  as duras lembranças dos 50 anos do famigerado golpe militar de 1964, loucos que ainda fazem apologia a ditadura, das Forças de pacificação nos morros do Rio e uma Copa totalmente inoportuna .  A América Latina ferve na Venezuela e há greves na Argentina, dúvidas na Colômbia, isso para não falar do outro lado do mundo.

Olho as minhas ervas na varanda e me sinto feliz e agradecida.
Momento presente, momento feliz!

Beijos especiais neste dia do café!







                                    Foto Facebook

10 comentários:

  1. Olá querida:

    Deixei-lhe ali um recado no poste Ecologia...

    Então já foi fazer o tal exame? Confesso que não conheço o nome. - Melhor para mim, sinal de que ainda não precisei.
    Essas mudanças em casa fazem bem ao espirito, e à quem diga que dão sorte. Isso é que eu já não afirmo...

    Obrigada pela visita no meu cantinho. Aqui no verão às 21 horas ainda há sol. Até somos felizardas com um clima temperadinho. Inverno é frio, mas depois não pode haver queixa.

    Desejos de boas melhoras, e bom Domingo de Páscoa.
    Beijinho, Dilita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola minha querida,
      O exame sera no dia 28. Fiz vários antes mad a tal cintilografia sera no final do mês.
      Meu coração se enche de alegria quando me visita.
      bjs e votos de Páscoa de paz junto a sua família

      Excluir
  2. Seja ele dia do café, do chá ou do leite com chocolate, para não falar no chimarrão e coisas afins, seu texto me deu umas saudades danadas da cozinha de nossa casa, em Leiria (Portugal) quando eu tinha 5 ou 6 anos e com meu irmão Tuta, minha mãe Laura e meu pai José, almoçávamos e jantávamos sentados em volta de um a mesinha de um metro por 70 centímetros, no meio da cozinha, tão aconchegados que bastava minha mãe estender a mão para abrir a porta do forno do fogão de lenha para tirar o prato de barro vidrado com sardinhas fritas, passadas por farinha de milho e a açorda de alho com coentros, só com um ovinho escalfado, que a vida era dificil...Estávamos no ano de 1940 e, em vez de café, a gente bebia...cevada torrada, moída, com leite de cabra...Foram dias duros mas a gente era feliz naquela cozinha acolhedora à beira da mesa de pinho coberta com uma toalha aos quadrados azuis e bracos: o meu pai era do Porto!
    Bjs
    Zito Azevedo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em lhe proporcionat um momento de boas lembranças.
      Essas cozinhas, ou melhor, o que representam é pura magia de lembranças amorosas.
      Acho que todos nos precisamos passar uns momentos em uma destas cozinhas.

      Excluir
  3. Olá querida,

    Vim até aqui para desejar bem estar, neste dia festivo que aqui já está a apontar para o fim do dia, são 19 e 15. Mas eu desejo-lhe bem estar sempre, todos os dias, todas as noites. Tudo bom, o mal não interessa... Já fui ver num dos meus dicionários qual era o exame que vai fazer; afinal eu sei o que é, não conhecia era o nome.
    É possível com ele detetarem a origem do que está mal, e depois logo, logo, a medicam de acordo, e aí estará uma Nouredini recuperada e a "marchar determinada." Fico à espera.
    O Zito ao falar nas sardinhas e na açôrda fêz-me crescer água na boca, e também recordar... Ser velhota tem estas "compensações..."
    Beijinho, e até amanhã.
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida,
      Não se avexe com o exame. Cintilografia é um exame do com uso de um contratste que por radiações permite vericar as condições das coronárias. Farei em reoouso em movimento para tirar de vez quakquer suspeita sobre o coração.
      Já fiz o conhecido eletrocardiograma e ecocardiograna com dopplercolorido que mostra em cores o ddanado.
      Até agora só as pequenas avarias da idade.
      estou bem.
      obrigada pelo carinho

      Excluir
  4. Pois amiguinha é isso mesmo o tal exame. Eu fui ver num dos dicionários e afinal eu já sabia, mas não sabia o nome...
    Já uma vez pediram um exame desses para a minha filha, mas o médico de familia desaconselhou de imediato por achar desnecessário, e ela não fez.

    Vai ver que desta vez, vão detetar "a avaria", e logo a vão tratar a valer. Esse coração ainda é novo, ainda está forte para muitos embates. Precisará apenas duns pequenos arranjos... Tenho a certeza, e fico à espera.

    Agora vou fazer o almoço; mulher casada é assim:- doméstica a tempo inteiro.Castiguinho.....

    Ria-se amiguinha, faz bem ao coração.
    E também um beijinho.
    da Dilita

    ResponderExcluir
  5. Olá querida

    Venho para desejar que tudo corra bem no tal exame depois de amanhã. Eu sinto que vai ser tudo rapidinho e sem sofrimento, só é aborrecido, porque tudo quanto é feito em consultórios ou hospitais é sempre desagradável; a gente só quer fugir de lá... Depois com os resultados já sabem o que está mal, e onde está, e logo vão tratar de a pôr boa.

    Sabe? Quando a Nouredini começou a falar nestas anomalías eu pensei que era mesmo o seu automóvel que estava com avaria. Nesse sentido até escrevi relativo ao automóvel, não lhe dando sequer esperança de melhoras. Espero que a Noredini se tenha apercebido do meu engano, porque eu estava mesmo convencida (nessa altura) que era do carro que se tratava... Pronto, já confecei o meu erro.

    Mais um abraço, com votos de coragem, esperança, e paciência.
    Para amanhã bom Domingo.
    Beijinho da Dilita.

    ResponderExcluir
  6. OLá Querida

    Então já está a ser "restaurada" depois do tal exame?
    Gostei do seu texto sobre a vida aí no Brasil, e o que se avisinha. Aqui fizeram-se estádios novos obras enormes, alguns só para essa altura. Agora estão ás môscas, e a deteriorarem-se por falta de manutenção. (cavalarias altas) depois não há dinheiro para o realmente necessário.

    Mas que foto foi aqui colocar... Reprovada! sem apelo!!! Ponha lá a outra, esta não é a Nouredini.
    Parabéns pelo bébésinho.
    Beijinho
    Dilita

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.