12 de jan de 2014

Café, fatos e estórias para dormir.

Há um tempo para todas as coisa debaixo do céu.
Bem, não me tomem por uma fanática pregadora por iniciar assim nossa conversa de hoje. É que tantas vezes ouvimos está afirmação, seja advinda da fé de alguém , do conformismo cheio de normose ou do nosso eu verdadeiro e, mesmo assim, nos deixamos levar pela dor intensa e a ilusão de que a perda e o sofrimento não passam, que hoje repeti para mim de forma consciente e reafirmo para vocês com quem partilho minhas estórias e história.

As dores de amor dos apaixonados, enamorados e amantes parece não ter fim. Julgamo-nas eternas e tão "eternas" quanto julgávamos o amor que acaba de passar e virar dor ou vazio. Se quer percebemos que atribuímos a relação que passou a mesma intensidade que estamos atribuindo a dor do momento. Se por um breve momento parássemos para refletir veríamos que é o mesmo peso e a mesma medida, logo veríamos que é passageira.

Somos assim, vamos variando o peso  e a medida em conformidade com a nossa conveniência e sempre ao nosso favor. O outro, a situação,  a vida, estes são os verdadeiros culpados!

Até quando eu  farei isto? Me responda que,  já reúno as condições  de mudança,  mas que tudo vem a seu tempo. Uma mistura desleal de verdades, não acham? Nem sempre duas verdades ditas juntas permanecem verdadeiras . Viuji!!!

Sim há um tempo para todas as coisas e isto no sentido de que  precisamos fazer tempo mergulhar , abraçar e vivênciar nossas dores com dedicação e disposição para vê-las por diferentes ângulos e com os olhos da verdade.

Há um tempo de compreender nossos vacilos e aceitar que esta era nossa medida certa daquele momento e sobre eles entender que nada podemos mudar do passado. Do passado ficam lições e experiências que quando reaparecem com outras roupas, rostos e vozes no cenário do presente  temos que fazer diferente, pois há um tempo para cada coisa.

Hoje percebo que fiz isto pouquíssimas vezes e quando a situação do passado se representava, scondia atrás das cortinas as verdades, minhas verdades, dando roupagem nova, pondo brilhos e jogando luzes ao que convinha e quando tudo começava a ruir,  mais ou menos no mesmo ponto de sempre emprestava a culpa ao outro.

Não há culpa como diz meu querido Orientador N. Há responsabilidade. É fato que por vezes,  são de ambos. Entretanto, só posso cuidar das minhas!

Hoje estou me dedicando a uma delas e revendo por outro ângulo uma longa história,  cheia de estórias,  castelos de contos e expectativas infantis que carrego fazem 30 longos anos. O que posso rever e deixar registrado faço-o agora:

-Me enamorei, me apaixonei,  tínhamos restrições  para conviver, fantasiei (arrisco dizer fantasiamos) tivemos uma breve convivência e décadas de fantasia.  Hoje nós reencontramos, começou com as ilusões de sempre ( de novo me arrisco a dizer, para ambos), cai na real e percebo que somos duas pessoas diferentes,  como esperarado e até certo ponto desconhecidas e estranhas. Temos hábitos e costumes que não reúnem, se formos rigorosos, as condições para uma amizade. Devemos manter uma certa e regulamentar distância para nós respeitarmos e de verdadeiro... há uma profunda gratidão.

Assim, décadas viram

 breves linhas escrita sem  dores e com pouquíssimas mágoas - porque ainda é tempo delas ! Assim, me despeço desta longa estória de amor.

Como diria minha Vó Tinda, entrou pela perna do pato e saiu pela perna do pinto e rei, meu senhor, que lhes conte cinco. Lá eles!!!!

,

6 comentários:

  1. Fico com a sensação de que V. se sente como um navio de porões cheios de esperança, cuja amarra a um porto indesejado foi cortada e agora vagueia ao ritmo das marés, na procura de um estaleiro naval onde tapar o rombo que várias intempéries e desenganos abriram no casco a precisar de uma nova pintura que disfarce as mazelas...Um novo porto nos espera sempre, mas é preciso navegar, vencer as porcelas e o canto das sereias...Quando lá chegar me diga!
    Bjs
    Zito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isto mesmo caro amigo, ainda resta-me esperanças e até algumas certezas.
      Navegar é preciso e imperativo no meu caso. Não sei se cabe disfarçar as marcas das dores, feridas já curadas, servem de lembrança e chamam atenção.
      By the way, estou muito feliz com sua visita, quecem bom temoi me leva a crer que dias melhores estão por vir.
      Abraços na Maiuca e beijos do verão da Bahia para vcs

      Excluir
  2. Olá Nouredini !

    Escrevi ontem, mas no fim esta geringonça traiu-me... e tudo o vento levou; fiquei emburrada, e como era tarde, em protesto fui deitar. Mas senti-me em falta, eu queria mandar-lhe também umas palavras ( de ânimo?...)

    Pois amiguinha, 30 anos é tempo demasiado para tomar uma decisão... Começa a habituar-se ao eterno adiamento, e depois já não quer outra coisa.

    Vamos lá "endireitar" esse ânimo, e em frente, que a vida não dura sempre!

    Não desperdice oportunidades, olhe que a sorte só bate à porta tres vezes. E afinal ainda são tres vezes, mas quando não se quer, nem se repara, e só se constata quando todas se dissiparam.

    Portanto, Noudedini, cara levantada e determinação em força.
    Beijinho.

    Ah, não respondi ao seu comentário: disse que panela velha é que faz comida gostosa...Acho que é verdade, e se for de ferro tanto melhor. Só que panela de ferro antiga mesmo, não serve nos actuais lumes.
    Também é igual com o chinelo velho, só ele alivia pé cansado.

    Eu dava à Anita um irmão mais novo (se o tivesse) porque ela é mais nova do que eu 20 anos. Ela gostava de ter um companheiro, alguém decente que a acompanhasse para não viver naquela solidão constante. " É comum dizer que há muitos peixes no mar..." Mas nenhum veio parar à rede da Anita...

    Mais uma beijoca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola querida
      O sumiço é por conta de uma pequena cirurgia. Estou bem e já já voltando.
      Bjs e obrigada pelo csrinho!

      Excluir
  3. OLá amiga
    Que é feito de si?
    Já decidiu valorizar alguma das vezes que "ouviu" a sorte a bater-lhe à porta? E,,, Respondeu? ...
    Se respondeu, está no bom caminho!
    Beijinho cá da velhota,não assumida como tal.....
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Munha queridaprometo contar cada detalhes (só os bons...kkk), destes dias!

      Excluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.