12 de dez de 2014

Café empedrado!



Tento ser uma mulher forte, decidida e que tomo todo tipo de providencias . Levo meu carro para oficina, faço manutenção e até troco pneus se necessário, mas cada dia mais percebo que neste mundo da prestação de serviços de pedreiros, carpinteiros, mecânicos etc; as mulheres não são respeitadas.

Esta semana acertei o serviço do piso do apartamento com um pedreiro. Estávamos eu , minha filha e um colega. O pedreiro nos passou total confiança de saber fazer o serviço, estipulou valores e quantitativos dos materiais. Foi ficarmos só eu e a minha filha que os problemas começaram. 

O serviço que disse que sabia fazer ficou difícil e as queixas começaram, o material foi duplicado e ele no primeiro dia já não ficou no local, conforme combinado. Hoje fui lá e descobri que para fazer o piso ele sujou todas as paredes e portas brancas já pintadas. Até as mãos limpou nas paredes.

O que pedi  - cimento afagado ou queimado – está anos luz do piso alisado, escuro e sem brilho  que ele  executou. Os azulejos antigos que comprei já se quebram de pisadelas e ele nem avisou. Agora faltaram peças e o desenho ficou incompleto com o cimento já seco, ou seja, não há mais o que fazer.

Terei repintar todo o apartamento e portas, além de me desfazer das montanhas de materiais que sobrarão, já que não terei onde estocar. Com o caos instalado ele me disse, a senhora pinta de novo e faz uma boa faxina!!!!

A minha vontade foi coloca-lo para fora , quebrar tudo e mandar fazer de novo com outro, mas não dá. Não tenho grana para isto. Terei que mudar com as paredes sujas e o cimento que ele fez.

Sinto falta do um pai do meu lado, de um favor de um amigo ou  de um irmão por perto. A cada dia percebo como sou só nas providencias, eu e as filhas... e a Fraternidade vai se tornando um sonho pouco praticado no nosso entorno.


Ao beber este café agora ele desce salgado com lágrimas e duro como  se tivesse pedras, pedras de cimento!

           ....de amor fraterno, de amizade, de solidariedade...

9 comentários:

  1. Desejo e acredito que este sentimento ,quase desespero , seja transitório. Temos esperança que o dia , o ano que virá será melhor. No seu caso , o seu esforço vai dar resultado s bem mais interessantes. 2015 será mais azul , com belos azulejo s e tudo mais. Álvaro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado meu caro doutor. com certeza o senhor é um dos fraternos que não nos falta nuca.
      Seu carinho ameniza a minha dor.

      Excluir
  2. Oh Nouredini, que desalento... e eu que a julgava atarefada sim ( porque obras são uma doença) mas com os trabalhos a decorrer de modo normal, e a seu gosto... Ainda por cima o homem é indelicado, além de pôrco como trabalhador.

    Mas não se deixe abater. Tudo tem remédio. Sabe o que dizia o meu pai? "Desgostos que se resolvem com dinheiro, não são desgostos, sempre se hão - de resolver." E ele não era rico, mas era positivo.

    Querida, tenha calma, faça um esforço para isso. Eu compreendo bem a sua arrelia. Desilusão e prejuíso são coisas que pesam, e leva dias a deixar pra lá, mas tem de ser. Tem de olhar em frente.
    Café salgado, NÃO!!!!!!!!!!!!
    Beijinho.
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada amiga. Vc e o meu caro Dr. Álvaro deram alento ao meu dia.
      Saber que do outro lado do Atlantico vc torce por mim é muito gratificante.
      Abraços

      Excluir
  3. Gostei da "sua resposta" já de seguida!

    Beijinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou trabalhando, mas deixei o blog aberto numa janela do computador, assim vez por outro dou uma olhadinha e me alegro!

      Excluir
  4. Passei hoje para vsitar a boa amiga do Zito e vejo o que se passou com a Nouredini.
    Compreendo perfeitamente o que lhe vai na alma porque vivi uma situação parecida
    hà uns anos. Para a construção do que seria a minha casa, foi-me recomendado uma
    pessoa séria (?) que levou mais de ano para fazer o que uma empresa faz em meses.
    Não terminou a obra e... fugiu. Quando um conhecido (profissional) soube da quantia
    que paguei pelo obra, disse-me "por este preço lhe fazia a casa com um andar"...
    Adivinhe como fiquei, como ainda estou, mas... estamos vivos e com saùde, n'ê?
    Abraço, Nouredini
    Valdemar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo,
      Vc é amigo e não amigo de Zito apenas!
      Agradeço a sua visita e imagino que bem entende o meu desespero.
      Aproveito para desejar ter a sua companhia em 2015 e apresentar meus votos de uma cheio de harmonia e paz!

      Excluir
  5. Minha filha, se há coisa que me enche a paciência de urticária é a desonestidade profissional...Será porque sempre considerei o meu trabalho como um sacerdócio não consigo perdoar tal tipo de falsidade...Esse fulano merecia um par de estalos na cara de sem-vergonha...Maldito seja, por ter enganado minha amiga!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.