2 de jun de 2015

55...56

Olho a minha foto nas vésperas dos 56 anos e constato: -  envelheci. Não que me desespere a velhice, e sim a falta de saúde, previdência ou sanidade.

Envelheci. Os cabelos encandeceram, o rosto enrugou, a saúde vem minguando. Envelheci cedo, mas cedo que esperava. Talvez tenha envelhecido bastante nos últimos meses!

Engraçado como funciona o corpo  espelhando da alma - tal qual nos sentimos. Os últimos meses foram conturbados por percalços no trabalho, na grana e na saúde e como estes pilares lastreiam o meu humor, ao tirar um, desmoronou o resto.  Os cabelos embranqueceram  nestes meses mais do que nos últimos anos, o olha perdeu um pouco do brilho e eu perdi parte do viço.

Diminui até o café e distanciei-me do meu bom e querido doutor Álvaro, que cuida de minha alma; engordei 12 kg, estou de cara lavada e usando roupas largas. Aconteceram coisas boas também, mas não estou sabendo valoriza-las: mudei para casa nova, Cissa passou num concurso, Agnes vai casar...mas tô murcha mesmo assim. Tem dias que não abro as cortinas ou varanda.

Creio que de todos os males que me afetam, o fantasma do desemprego é o mais grave, aquele que faz demorar a conciliar o sono e acordar cedo e sobressaltada.  Sou capaz e tenho as minhas competências, mas somo limitações que dantes não tinha, não moro mais em qualquer cidade, não enfrento qualquer rotina, tenho um volume fixo de pagamentos e diminuiu a minha capacidade de adaptação.

Se desemprego é ruim, na velhice pior!

Posso até nem ser tão velha para a vida, mas profissionalmente sou. Hoje 3 colegas bem mais jovens que eu foram demitidos e será difícil recolocarem-se, imagine para mim. Tiro a mente deste pensamento, mas apenas o distancio. Respiro e tento ficar no presente.
Me digo para viver a cada dia, a  sua agonia, mas é difícil!


Dona vida vem me visitar, encher meu rosto de cor, rosar minhas bochechas e bagunçar meu cabelo.

Quero sua risada mais gostosa e  a fé no que virá...Quero ser feliz de novo meu povo porque um ano novo me espera e tenho que girar a roda!


Fotos do último ano.


4 comentários:

  1. Eu estava ficando deveras preocupado quando, subitamente, dei de caras com as ultimas frases do seu texto...Afinal, a ladaínha da velhice, da doença, de receio do desemprego, das cãs, enfim, de um verdadeiro chorrilho de desgraças, tudo culmina numa prece de esperança, num recuperar da adrenalina da vontade de viver...Como pede, daqui vai, não o meu sorriso, mas a minha mais sonora gargalhada...A VIDA É BELA!!!
    Braça de alta voltagem
    Zito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. imagina se não fosse.
      Beijos pelo niver tb e bem que queria um bolinho feito pela Maiúca!

      Excluir
  2. Querida Nouredini

    Passei para ler seus post, e também me aconteceu igual como ao Zito. Saber a Nouredini tão desanimada, fiquei preocupada... mas no fim do texto "apareceu" a verdadeira Nouredini aquela que não perde a esperança e vai em frente.
    Espero que daqui a pouco nos diga que está tranquila.

    Muito obrigada pelo comentário que deixou no meu birras. Com tanto elogio da sua parte, eu ainda acabo toleirona...
    ( já percebeu que a história é verdadeira- e os namorados nós dois - agora um par de velhotes...) eu até me emocionei quando estava a recordar, e a escrever.
    Beijinho.
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela preocupação e cuidado.
      Qto a história imaginei q fossem vcs
      Um beijo carinhoso

      Excluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.