26 de nov de 2016

Dúvida corroe.

Tenho andado bem abalada. Não  bastasse as complicações  do pós  operatório, venho enfrentando problemas de saúde  na família com minha irmã .
Nestas horas conhecemos nossos verdadeiros limites físicos, psíquicos  e de fé. Há  muito de conceito na minha fé,  mas percebo  a longa  distância  entre o ensinamento esposado e o conhecimento adquirido.
Ao aparecerem os percalços, a máxima  se confirma: a dúvida corroe a fé  e imobiliza o homem.
Por vezes me sinto incapaz de seguir, mas é  imperativo - o que fazer, se este karma familiar é  nosso. Não  há  como postergar ou transferir.
Ao escrever a vocês,  sinto que me ouço  e não sei se por vergonha, fé  ou consciência, penso em tomar banho e seguir para o hospital e enfrentar mais um dia.
Agradeço  a todos que por força  do amor fraternal,  amizade ou fé dirigirem suas orações  para a família Costa Oliveira.
Bjs vacilantes.

2 comentários:

  1. Julgo que a fé se cultiva como quem cuida de uma flor que só nós vislumbramos... A dúvida é filha do sentimento que voa nas asas dos acasos da vida e só não é imune à fé porque somos humanos e, por isso, imperfeitos... Mas, só a fé move montanhas enquanto a dúvida as destrói! Não vacile, tenha fé!

    ResponderExcluir
  2. Querida Nouredini

    Não perca a esperança. Confie nos seus espiritos protectores porque
    o bem irá vencer o mal.
    Um abraço forte.
    Dilita

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.