29 de mar de 2017

Salvador, sempre adorarei você - republicada.

Salvador, 467 anos♡♥♡♥
A minha Salvador vaga no tempo e na lembrança dando saltos e piruetas entre o passado longínquo e até pertinho do presente.
Ela é feita de memórias que tem gosto,  cheiro e suor de boas paletadas.
Lembro de uma Salvador com a rua Chile de vitrines decoradas para o natal; da mulher de roxo; do pisca-pisca da fachada da Petrobrás na Jequitaia; da laranjada na Praça da Inglaterra; da lotação do 2 de julho - um largo cheio de flores e frutas e de um colorido inesquecível!
Lembro da  fila do Plano inclinado,  e da única loja para comprar pano de espreguiçadeira e cadeiras de dobrar, que até pouco tempo existia e se chamava -  A Sombrinha Moderna
.
Como esquecer das Padarias e confeitarias da Bx dos Sapateiros, em especial a da esquina da Ladeira da praça. E do pão preto da Favorita no Forte de São Pedro.
Lembro até do Viaduto da Sé!
Tinhamos Calçados da Familia  Pestalozzi e Ótica Viúva Neves e
A Lâmpada nos fornecia tudo que precisávamos. Na sua porta um gentil senhor vendia todo suprimento para canetas Parker e Compactor.
Compravamos  nos Os Gonçalves;  Florensilva; MKraychete de Bazar e nos varios andares da Sloper e das Duas Americas e Souto Maia era nome de loja e não sobrenome e sinônimo de chacina.
Quem não comprou na Mesbla ou passou um dia a pessear no Iguatemi quando inaugurou?!
Não faltavam lojas para comprar um brim sol a sol Santista, bramante ou percal, mas aviamento  só no armarinho S. Luis.
Tinha a Clarck calçados e depois chegou a Washi 70, mas antes já se afirmava que Adão não se vestia porque Spineli não existia.
No Cabeça iamos a Livraria Civilização Brasileira de seu Dermerval da Costa Chaves, grande livreiro, que tinha filiais nas Mercês e Ajuda.
O sorvete era na Cubana, assim como os bolinhos de arroz e na porta do Elevador podiamos comprar corda de balas/queimados e pedaços de doce de leite.
Ainda me  restam espaços para A primavera, as duas, a sorveteria e de instrumentos musicais e a torta de tapioca da Savoy na esquina do Cabeça.
Muitos cafezinhos de rua e boas cachaças no Mimosa. Seresta do New Fred's, batidas do Barcaça, sem esquecer da dase Diolino, é claro.
Lembranças  dos passeios se atroplelam na memória: - Itapoan, Jardim de Alah; Passeio público,  Humaita, sorvete da Ribeira, Trem, Plataforma; ônibus elétrico, Bomfim , Boa viagem, Porto da Barra, Cine Roma, Calçada,  Rampa do mercado; Mercados do Ouro, Sete portas, Feiras...incêndio de S. Joaquim!
Sandálias de couro fedido, saia rodada, FFCH São Lázaro,  pipoca, bicos, suores e alegrias.
Uma Salvador de andar na rua, estudar em escola pública, esperar ônibus sem medo. Sair cedo e chegar tarde e ser pobre com dignidade!
Uma Salvador  onde a  arma no carnaval era machadinha dos Apaches do Tororó.
Sou feliz com minhas memórias de  Minha Feliz Salvador.
Sou roxa de amores pela minha cidade!

P.S parabéns para minha linda sobrinha Iris que faz aniversário no dia da cidade e  é linda e querida como ela

2 comentários:

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.