16 de jun de 2013

Bolo.

Hoje amanheci arrumadeira,  coisa não muito comum para um domingo chuvoso. Meu quarto estava um caos. Desarrumei-o ainda mais estes dias, à procura de meu presente do dia dos namorados,  que perdi na embalagem da joias.
Coisas de Heidinha que Nouredini não conseguio consertar! .
Meu quarto é pequeno e não fosse a minha desordem e a minha "des" arrumadeira semanal, D. Jaci, que consegue me superar, não teria como perder nada em espaço tão diminuto.
A minha maldita mania de trocar de bolsa e sair deixando metade das coisas pelo caminho. Enfio as coisas de uma bolsa para outra deixando rabos.
Já tentei milhões de modelos bolsinhas e organizsdores, mas o uso apropriado não passa de uma semana. Carteiras e porta dumentos então,  nunca foi opção!
O bendito presente veio antes do dia e guardei-o para usar na data certa. Este foi o meu erro. Como tudo que me é caro e importante, guardei...na bolsa.
Não faco a menor idéia de onde perdi. Sei que estava comigo alguns dias antes do evento festivo.
Como desgraça sempre soma, guardei-o junto a outros berloques já meus e, que fariam uma boa composição.
Perdido por um, perdido por três.  Perdi o novo e os outros. Restando a lembrança e o prejuízo real e moral.
Faço um café e volto para o quarto insistindo em procurar para amenizar a minha culpa. Pura idiotice.
Paro e  bebo um gole grande do meu café e vejo que esqueci de adoçar e neste ato falho, vem amarga decisão: comprar tudo de novo ou esquecer.
De uma coisa tenho certeza, nem uma nem outra opção vai melhorar este meu jeito desorganizado de ser.
Ops! Mas não fiquem pensando que minha casa é uma bagunça.  Só as minhas coisas pessoais e mais especificamente, as minhas bolsas, joias , remédios e documentos.
Para não restar dúvida, mato a cobra e mostro o pau!

Um comentário:

  1. Conheço o género - anarquista-ordenado! Eu sou um pouco assim, psicológicamente...O somátido é menos caótico...Há quem lhe cham e de "personalidade"!
    Bjs.
    Zito

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.