12 de fev de 2017

Encerrado o expediente, lá se foi o cozinheiro.

Após ditar seu post de número 10.010 em despedida, o cozinheiro Zito Azevedo serviu o seu último prato de Arrocatum e deixou orfãos os seus comensais, digo leitores.

Dignamente e como bom blogueiro, ditou ao filho Paulo o seu adeus, que em breve veremos postado no Arroz, onde sei que irei por muito tempo matar a saudade.

Sempre desejei que lhe fosse o melhor. O descanso foi a escolha do Universo e do Pai. Sinto uma profunda tristeza e as lágrimas gotejam como se vida própria tivessem.
Não se chora ou sofre menos por aquele que morreu longe de nós. A dor é imensa e não faz diferença se eramos amigos fazem 5, 10 anos ou toda uma vida. Éramos cúmplices e confidentes. Éramos amigos.

Peço ao amigo Arthur que, com sua imensa gentileza e bondade, abrace a toda família Azevedo e deite uma rosa no peito do meu amigo. Faça isso por mim, como meu último gesto afetuoso.
Não consegui acessar o recado que Mendes deixou pelo telefone, mas sei que ele me ligou. Nem consegui recuperar o número. Coisas e gentilezas que só os pessoas de Além mar possuem.


Espero continuar a ter por perto  todos os amigos que fiz através de Zito, pois através dele aprendi um querer especial por todos.
Que a luz de Cristo nos conforte e ampare Maiúca e filhos.

Com carinho e respeito
Nouredini




Zito se descrevia:  Antigo (82 anos , mas activo amigo do meu amigo,coração de manteiga,amante do belo, bom garfo,conversador, não fumo mas adoro um bom Gin&Tonic...

8 comentários:

  1. Associo-me a estas sábias e sentidas palavras da Nouredini. E devo dizer que o faço com uma lagriminha no canto do olho. Porque hoje estamos todos com o sentimento ao rubro. Paz à alma do nosso Amigo, e que em sua memória se conserve intacto o sentimento de amizade e que ele o seu blogue construíram entre nós.

    ResponderExcluir
  2. Um abraço amiga com o meu reconhecimento. É bem verdade o que escreve, senti e muito o desaparecimento deste senhor em quem via um amigo. Era um companheiro, eu nem reparava que ele estava no Monte Abraão e não junto de mim.
    Eu ainda não disse à Nouredini mas há um ano que ando a trabalhar na preparação dum livro (culpa do Zito e do Manuel que me incitaram ) e pedi ao Zito para me escrever o prefácio. Ele respondeu-me que estava a digerir o assunto que eu lhe tinha dado um encontrão... mas que depois se resolvia para nenhum de nós ficar aborrecido.
    Quando ele colocou no blog a noticia de que ia diminuir a assiduidade no ARROZ porque necessitava de mais horas de oxigénio, eu daí a uns dias disse-lhe que descançásse o máximo para o tratamento surtir efeito. E quanto ao livro ia demorar porque eu me tinha atrazado muito, portanto tinhamos muito tempo. Afinal o tempo não era muito não...
    Fiquei sem o Zito e fiquei sem o Manuel que tem a esposa muito doente. Eu levo as amizades a sério e sofro com as perdas. Mais ainda quando a perda é definitiva como foi esta.Lido um bocado mal com a morte, é verdade.
    Abraço forte.
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora tenho uma nova razão. tomo para mim a responsabilidade de incentiva-la no livro.
      Vou passar sempre no Renda, ligar, escrever e protestar até este livro sair.
      Nem ouse desistir. Sei que será tão belo e rico quanto a bandeira da foto que a algum tempo publicaste a foto a costurar.
      Braça (passo a usar o cumprimento do Zito, em sua homenagem).
      Votos de paz e conforto, Shanti
      Nouredini

      Excluir
  3. Cada um tem suas crenças e sua forma de as viver. Por isso acredito no que diz o Djack e o Adriano (no 10010° do AcA) que, antes de ir para o Além, para o lugar que ganhou na Eternidade, o nosso saudoso amigo foi despedir-se dos lugares onde viveu 40 anos de felicidade, depois de ter passado para um aceno aos amigos que tentaram encorajà-lo no combate que perdeu com a maldita doença.
    A Nouredine e a Dilita não sentiram a sua passagem. O mesmo sucedeu com nosoutros amigos e familiares. O Cidadão deixou saudades.
    Que a terra lhe seja leve e a alma suba ao mais Alto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso amigo. Ele estará sempre comigo em memórias e releituras do seus posts.
      Seu conselho, ponderação e experiência serão sempre vivos. Sentirei falta das visitas, pois poucos são os que aqui vem, mas continuarei aqui e quem vier será sempre bem recebido.
      Sempre haverá espaço e carinho para os amigos que fiz através do Zitoe desejo manter perto de mim.
      Rogo, não me esqueçam.
      Braça (passei adotar o cumprimento em homenagem a Zito)
      Shanti

      Excluir
  4. Cara Heide, as suas palavras, o seu carinho e a cumplicidade de que fala, foram tónicos que alimentaram o meu pai durante estes últimos anos.
    Ser-lhe-ei eternamente grato!!!
    Braça!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Paulo,
      seu pai era um amigo e cúmplice, por muitas vezes o conselheiro.
      Nunca o vi, mas diariamente nos visitávamos. Minha filha que chegou ontem a Portugal ia visitá-lo em meu nome. Só sinto ter adiado por tantas vezes a minha ida.
      Tudo tem seu tempo e ritmo e será necessário muito tempo e café para me acostumar a ausência.
      Desejo a sua família o conforto da certeza de que dele tiveram o melhor. Um forte abraço em sua mãe, a quem ele amou por toda uma vida.
      Aqui na Bahia, Brasil vocês sempre terão um porto seguro.
      Com Carinho deixo meus votos de paz

      Excluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.