4 de mai de 2017

...o tempo passou e só restou a lembrança

...
Do blogger seuguru.blogspot.com (2013) num comentário ao cafeebolinho

Eu, por Nouredinha! (Nouredini+Dinha)

“ Purê de banana da terra, picanha e risoto de carne seca, depois um licor com cafezinho.

 Algumas pessoas se expressam com palavras escritas e faladas com tamanha propriedade, que conseguimos sabe - los só de ouvir ou ler o que produzem. Já lhes falei do Seu Augusto e sua forma impar de dominar as palavras. Outras pessoas pintam, bordam ou desenham, dando vida ao que são com os mais variados recursos.

Tenho a sorte de conhecer e amar alguém singular de escrita impecável, mas que tem na musicalidade que lhe invade a alma e na arte de cozinhar, sua expressão mais plena, seu retrato mais fiel.

Paulinho não fala, canta. Ele é incidental no seu repertório variado e de bom gosto. Há uma música para cada momento, seja alegre, triste ou poeta, como diz Caetano Veloso. Ele é “assim, sei lá, meio passional por dentro”. Fala de amor, cidadania, família, tristeza e alegria sempre cantando e contando aos seus botões as suas muitas histórias vividas.

Não bastasse a musicalidade, se expressa pelo cuidado e atenção na cozinha fazendo uma combinação de agrados, mimos, sabores, odores e muito visual que enche os olhos e a barriga de quem ama. Parte do princípio, que barriguinha cheia é plena felicidade.

Cozinha para os filhos, amigos, irmãos e amadas. Prepara de mamadas a bacalhau com o mesmo cuidado, a mesma dedicação e fica esperando que cada um se alimente e se sacie para então sentir-se realizado.

O menu de hoje que dá título a este post é prova de que ele não é um homem só para ouvir , mas também para degustar e, que lhe valha a amplitude da expressão, que aqui declaro.

Em breve ele virá a Salvador e poderemos desfrutar de suas muitas habilidades, inclusive as proibitivas para este espaço.

Salve seu Paulinho, um homem de Oxum com todos os seus dengos, com a força conferida por Ogum e paizão que nem Oxalá. Salve, Salve a Bahia lhe espera de braços e coração aberto!”.

-Talvez Dona Dinha tenha me pintado com as tintas e cores do imaginário de Bajado, de certo, mesmo, só o cardápio que “ajeitei” para a família aqui em Goiânia; de todo modo, gosto de cantar de ler e escrever - tento passar estes hábitos aos meus filhos, nem sempre tenho sucesso - gosto de cozinhar para quem gosto e amo.

Assim sou eu, que nem o imbondeiro - árvore africana; tem uma entre o mar e o CLDC em Camp Malongo, que ainda hoje habita, junto com meus miúdos, minhas recordações - seu imenso tronco é capaz de dar abrigo a muita gente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.