1 de mai de 2013

Café despolpado

Amanheci desmiolada e no  lugar do juizo...só caraminholas!

A isto minha querida mana Aishla costuma chamar de "ronha". Não sei de onde ela tirou este termo,  mas me  parece apropriado para quando os pensamentos  vão e vem, repetitivos, ciclicos e improdutivos.

Estou assim na ronha. Tenho me esforçado para mudar, mas volta e meia penso a mesma coisa.
Também apresento outros sintomas vexatórios: - sobressaltos ,expectativas e suspiros.

Tomo café tentando assentar o juizo e concluo que conheço este mal. Consulto o coração,  olho  no espelho e confiro a minha idade!!!

Descabido e sem propósito, creio que fui pega por um paxonite viral pós menopausa.
Pode !!!??

Beijos, vou me cuidar com um banho frio e um café quente.

P.S hoje Seu Vava, meu  pai, faria 88 anos. Agradeço pela oportunidade  da nossa convivência

Um comentário:

  1. Aqui deste lado, costuma dizer-se que todas as famílias têm "uma ovelha ronhosa" ou seja, um elemento improdutivo, amigo do bem-bom desde que às custas alheias e coisas do género...A sua ronha tem que ser de outra estirpe, mais intelectual do que funcional...Acredito que a nossa massa cinzenta, por vezes, clama por uma sorna ocasional, trasitória mas imperativa porque vem do ordenador onde tudo o que se passa connosco se processa, não raro, indenpendentemente da nossa vontade e da nossa inteligência...Por favor, ronhe bastante...
    Meu velho, falecido há muito, faria 104 anos, no próximo dia 5 de Maio...A saudade, essa, persiste como lapa em lagedo de beira-mar...

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.