20 de jul de 2016

O amigo e o espelho.

De repente, um amigo me diz que terá que desacelerar suas atividades por problemas de saúde. O fato me entristece, aborrece e incomoda. Penso no quão ele é ativo, presente e antenado e nos brinda com sua revista digital diári, que nos reporta fatos, estórias e muita história do seu lugar natal.

Na verdade, ele é um homem de muitos amigos, esposa dedicada  e filhos presentes, mas alterar a rotina a 1/4 da disponibilidade que tinha...é um baque. Sei que não estará só e manter-se-á firme, entretanto, no fundo do meu egoísmo extremo, penso que  o contato de anos, quase diário, que mantemos fará falta e diminuirá, em muito, as minhas alegrias.

Ele é um dos meus amigos blogueiros, ex-radialista, assíduo em posts sobre o cotidiano e  do tipo de  leitor que sempre deixa um comentário, o que me faz sentir querida e recebedora de atenção. Talvez troquemos mais impressões entre nós, do que com os meus pares de trabalho e até familiares.

Tento tirar o foco de mim e do meu profundo egoísmo e dirigir as atenções a ele, seja na forma de vibrações, votos e envios de Reiki para que o melhor lhe ocorra, mas levada pela empatia e quase cumplicidade que nos une, volto a pensar como me sentiria. O que faria?

Espelho a realidade do meu amigo em mim e me ponho a pensar se não é tempo de sair a viajar e ver de perto quem gosto. Talvez fosse confortável a ele um pouco de companhia  ou ouvir muitas da minhas estórias das trajetórias no interior. Não sei, mas me ponho a pensar!

Reflito e descubro o quanto estou longe do aprendizado de que do sofrimento não escapamos e para libertarmo-nos dele só mantendo atenta e consciente do momento presente, aliás a vida, segundo Budha, só existe no momento presente e por isto querido amigo, neste momento minha atenção é sua e  sinto-o tão perto quanto o café que neste momento me aquece  e embaça o monitor enquanto escrevo.

Por respeito, não cito o seu nome.

Energias de compaixão e fraternidade

2 comentários:

  1. Mesmo sem citar meu nome eu me reconheci e, pelo que li e senti, também reconhecido!
    Vou parafrasear hoje, pela terceira vez, meu velho amigo Nhelas: "Quem tem amigos assim, não precisa de Aspirina p'ra nada"!
    Gostei do Buda suástico...
    Bjs
    Zito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. infelizmente Hitler usou um símbolo da energia ciadora para fins terríveis. Iclusive apresentando como se girasse para o lado contrário. Compare as pontas.
      Saúde e paz, rapaz!

      Excluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.