8 de jul de 2016

Cajuína cristalina em Teresina

Hoje cedo o espaço do café e bolinho para um bebida que sou apaixonada desde de criança: Cajuína. Não a bebo com frequência porque é rara e cara no meu estado. Tipicamente do Piaui para onde viajarei neste domingo, também é muito apreciada no Ceará e boa parte do semiárido nordeste. 

Muito Doce, como o gosto do nosso povo, não possui álcool e, como o nome denuncia, vem do caju. A cor é lindamente um amarelo âmbar, que lembra uma joia.  Rica em nutrientes e sobretudo, em tradição.

Reza a lenda que foi inventada por uma farmacêutico bem intencionado em acabar com o alcoolismo e quis oferecer algo capaz de atrair, encantar e atenuar os malefícios do vício, lá no inicio do século passado.

Pretendo me esbaldar, tomar de balde literalmente. Sei que meu açúcar vai bombar, mas vale a dieta depois. Não vou perder a oportunidade, estarei na terra da cajuína, da castanha e dos frutos do mar. 

Algo tão , tão bom que inspirou Caetano na sua poesia, não pode ser desperdiçado e como estou numa fase musical e poética, divido com vocês. Ao longo da semana darei noticias de Teresina. 


Cajuína - Caetano Veloso
Existirmos: a que será que se destina?
Pois quando tu me deste a rosa pequenina
Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina
Do menino infeliz não se nos ilumina
Tampouco turva-se a lágrima nordestina
Apenas a matéria vida era tão fina
E éramos olharmo-nos intacta retina
A cajuína cristalina em Teresina


imagens da web

7 comentários:

  1. Também quero!
    Primeiro provar...
    E depois beber, muitos gólinhos.
    Beijinho.
    Dilita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bebi muitas amiga. Um conforto para o valor de 38 graus do inverno de Teresina
      A cajuína e doce e muito agradável. Refrescante.
      Bjs com sabor de caju

      Excluir
    2. Bebi muitas amiga. Um conforto para o valor de 38 graus do inverno de Teresina
      A cajuína e doce e muito agradável. Refrescante.
      Bjs com sabor de caju

      Excluir
  2. Também quero!
    Primeiro provar...
    E depois beber, muitos gólinhos.
    Beijinho.
    Dilita

    ResponderExcluir
  3. Quando eu era moço e namorava Maiuca, costumava, na sua ilha Brava, chupar os cajús, apesar do sabor extremamente adstringente...Hoje, claro, prefiro a castanha mas nunca provei cajuína que, a creditar na minha memória, deve ser pra lá de bom...Boa estada em Teresinha, que tambem foi namorada minha!
    Crédo!
    Bjs
    Zito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina um inverno de 38 graus em Teresina e a maravilha de poder saborear um liquido doce, sem o pigarro do caju e geladinho.
      Dos Deuses!!!

      Excluir
    2. Imagina um inverno de 38 graus em Teresina e a maravilha de poder saborear um liquido doce, sem o pigarro do caju e geladinho.
      Dos Deuses!!!

      Excluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.