25 de ago de 2013

Nas xícaras de ontem...


O texto não é meu. O enredo é meu, seu e de muitos amantes.
Não há porquê  acrescer ou retirar nada, ele é perfeito em forma, cores,  desejos e dores.
Perfeito na alegria das certezas e da esperança de assim tornar, o incerto.
De certo, quem o escreveu foi de uma bevolência imensa e o partilhou com todos que assim sentem.
A este autor desconhecido, mas que me conhece tão bem, dedico meu cafezinho da tarde.
Recomendo apreciar o café  junto com um charuto e longas e pensativas baforadas!!!

"Eu sei que atrás desse universo de aparências,das diferenças todas, a esperança é preservada.
Nas xícaras sujas de ontem o café de cada manhã é servido. Mas existe uma palavra que não suporto ouvir e dela não me conformo. Eu acredito em tudo, mas quero você agora!
Eu te amo pelas tuas faltas, pelo teu corpo marcado, pelas tuas cicatrizes, pelas tuas loucuras todas,minha vida.Eu amo as tuas mãos, mesmo que por causa delas eu não saiba o que fazer das minhas.
Amo o teu jogo triste e as tuas roupas sujas é aqui em casa que eu lavo.Eu amo a tua alegria mesmo fora de si, te amo pela tua essência e te amo até pelo que você podia ter sido, se a maré das circunstâncias não tivesse te rebanhado nas águas do equívoco.
Te amo nas horas infernais e na vida sem tempo... Te amo pelas crianças e futuras rugas.Te amo pelas tuas ilusões perdidas e teus sonhos inúteis...Amo teu sistema de vida e morte, te amo pelas tuas entradas, saídas e bandeiras e te amo desde os teus pés até o que te escapa.
Te amo de alma para alma e mais que as palavras, ainda que seja através delas que eu me defendo quando digo que te amo mais que o silêncio dos momentos difíceis, quando o próprio amor vacila"
Por Maria Bethânia - Autor desconhecido.

este é charuto que me fará companhia no cafe!

3 comentários:

  1. Quem ama por tudo e por nada não precisa de uma razão para amar, da mesma forma que, depois de servido o café, ninguem precisa saber se a chávena estava suja, ou não...O café, como os amantes, não é delator!
    Já com o charuto "não vou à bola"...Odeio o lábio à Armstrong!
    Beijo, de cigarro com filtro,
    Zito

    ResponderExcluir
  2. Encontrei a nossa incompatibilidade -charutos!
    Fumo pouco por falta de portunidadr ou de cria-las, mad é bom demais!

    ResponderExcluir
  3. Eu não lhe chamaria incompatibilidade mas, apenas, diferença...Dauelas que, afinal, nos fazem mais iguais!
    Eu fui fumador de cigarros durante 50 anos, e do tipo inspirador, coisa que não se pode fazer com o charuto, nem com o cachimbo, que também experimentei, sem êxito!
    Há anos que o único fumo que consumo é o dos enchidos e dos presuntos fumados...
    Bjs, sem fumo
    Zito

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Deixe seu comentáro, enquanto passo nosso cafezinho.